Saturday, 10 January 2009


The China Puzzle
Published: May 13, 2009
On Timothy Geithner’s first day as a Dartmouth freshman, while he was walking across campus on his way to register for classes in the fall of 1979, he heard a man speaking Thai — swearing in Thai, to be precise — from a balcony. Geithner found this amusing, because only a couple of months before, he left his home in Thailand, where his father worked for the Ford Foundation, to move to Hanover, N.H. So he stopped to talk to the man, who turned out to be David Keenan, a Chinese teacher at Dartmouth. The two quickly realized that they had a lot in common; among other things they attended the same schools, about a decade apart, in Bangkok and Delhi. (The cause of Keenan’s swearing, alas, has been lost to history.) Having established a rapport, Keenan then decided to do a little salesmanship. He urged Geithner to take Chinese, the only Asian language that Dartmouth offered at the time.
... ... .... ... ... 5 pg


May 16, 2009 - Rodrik
How to square the U.S.-China circle
Three is a nice long article in the New York Times by David Leonhardt, in which we learn, among other things, that Tim Geithner is actually an old China hand. Which should come in handy as he tries to right the bilateral imbalance between the two countries that has clearly become unsustainable.
Most writing on this subject, the Leonhardt piece included, concludes that the Chinese end of the solution lies in stimulating consumption demand in China, and reducing that country's ridiculously high saving rate. But the discussion typically ignores an important issue: the secret of China's growth is that it has made a rapid transition into producing tradables (mainly manufactures). If the correction in China's trade balance comes at the expense of slowing down this process of structural change, it will also result in a reduction in the economy's longer-term growth rate. This would be a bad bargain for China, and it is an important reason why the Chinese authorities have resisted a significant appreciation of their currency (which, in the absence of other compensating policies, would have the effect of reducing the profitability of investment in tradables).
So if growth in China relies on continued structural change in the direction of tradables, but the international context no longer allows a large external surplus, must the world have to choose between global macro stability and Chinese growth? Is there any way out of the conundrum?
Actually, there is, but we need to think a bit out of the box. The economics of the situation is actually pretty simple. If China wants a larger supply of tradables than the market equilibrium produces, it can achieve this by directly subsidizing the domestic production of tradables (through tax incentives or rebates or reduction in the cost of inputs), while letting the real exchange rate appreciate to equilibrate the external balance. Direct subsidies don't tax the domestic consumption of tradables the way that currency undervaluation does. Presto! We have both the structural change China needs, and the external balance the world economy requires.
Put differently, if China gives up the exchange rate as an instrument of industrial policy, it will need a substitute. Explicit industrial policies are the obvious substitute. Across the board spending by China on infrastructure and other things doesn't quite achieve the required goal, unless the spending is targeted on projects that disproportionately reduce the costs of producing tradables.
There are of course small details to worry about, such as the WTO's Agreement on Subsidies. But we do need to think creatively about squaring the circle in question, and I cannot come up with any other alternative.
If you want to read more about this, here's a paper that explains the argument in greater detail.

14/01/2009 - 11h39
China passa Alemanha e se torna 3ª maior economia do mundo
Da Redação Em São Paulo
O Produto Interno Bruto da China em 2007 superou o da Alemanha, colocando o país asiático pela primeira vez como a terceira maior economia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e do Japão (veja tabela abaixo). A constatação, divulgada nesta quarta-feira, é do Escritório Nacional de Estatística da China, que fez uma revisão dos dados de 2007. O PIB chinês somou US$ 3,76 trilhões segundo o novo cálculo; o anterior apontava US$ 3,28 trilhões. O da Alemanha ficou em US$ 3,32 trilhões.
China vai se tornar a 2ª economia mundial? Opine
Artigo: Como a China passou a Alemanha
Alemanha registra forte desaceleração em 2008
OCDE vê "graves riscos" para zona do euro
OS MAIORES DO MUNDO(PIB em 2007, em US$ tri)
Estados Unidos 13,81
Japão 4,38
China 3,76
Alemanha 3,32
Reino Unido 2,80
França 2,59
Itália 2,10
Canadá 1,44
Espanha 1,44
Brasil 1,31
Rússia 1,23
Índia 1,10
México 1,02
Mundo 54,58
Fonte: FMI e Escritório Nacional de Estatísticas da China
Ainda assim, a economia chinesa não chega a um terço da americana.
O PIB dos Estados Unidos somou US$ 13,81 trilhões em 2007, o que corresponde a cerca de um quarto do total mundial (US$ 54,58 trilhões) e supera a soma dos outros três maiores - Japão, China e Alemanha.
No mesmo ano, o Brasil ficou em 10º lugar, com um PIB de US$ 1,31 trilhão. A previsão do FMI (Fundo Monetário Internacional) era de que a economia chinesa passasse a alemã em 2008 e a japonesa em 2010.
China e crise
A China já havia revisado o número de crescimento do PIB de 2007 em abril do ano passado, quando aumentou o dado de 11,4% para 11,9%. Mas, desta vez, o número revisado indica o crescimento mais rápido do PIB chinês desde 1993, quando a economia se expandiu 13,5%.
Apesar do forte crescimento em 2007, as previsões para 2008 são muito menos otimistas, já que as expectativas foram reduzidas devido à desaceleração da economia chinesa durante o ano e ao impacto da crise econômica mundial no país asiático.
A economia chinesa mostrou uma clara tendência de desaceleração em 2008, com um crescimento de 10,6% no primeiro trimestre, de 10,4% no segundo e de 9% no terceiro.
Nos nove primeiros meses de 2008, a China cresceu 9,9%, abaixo de dois dígitos pela primeira vez em cinco anos. No final do novembro do ano passado, o Banco Mundial (BM) revisou para baixo suas previsões de crescimento da China para 2008, dos 9,8% estimados em junho para 7,5%.
(Com informações da Efe)

Chinese Central Bank to Test Program to Settle Trade in Yuan Rather Than Dollars
While it would be easy to dismiss this move by the People's Bank of China to inch away from dollar based invoicing, the fact is that the use of other currencies for denominating trade transactions has been on the rise. We cited this Globe and Mail story back in February:
The chief executive of jewellery giant De Beers SA made waves this week when he suggested the global diamond industry consider pricing the shiny gems in a currency other than the U.S. dollar.That comment, from the head of the world's largest diamond company, is the latest in a string of signs that the greenback's glory days could be fading.A UBS Investment Research report says that while it would be wrong to write off the U.S. dollar as the global reserve currency, its roughly 90-year iron grip on that position is loosening. “The use of the U.S. dollar as an international reserve currency is in decline,” said UBS economist Paul Donovan.“The market share of the dollar in international transactions is likely to decline over the coming months and years, but only persistent policy error - or considerable fiscal strain - is likely to cause the dollar to lose reserve currency status entirely.”The UBS report maintains that the gradual slide of the U.S. dollar is being driven not by the world's central banks, but by the private sector, as individual companies increasingly abandon the greenback as their international currency of choice.“The private sector's use of reserves is more important than official, central bank reserves – anything up to 20 times the significance, depending on interpretation,” Mr. Donovan said. “There is evidence that the move away from the dollar as a private-sector reserve currency has been accelerating since 2000.”...A Financial Times story in March said that Chinese exporters in particular were leery of the greenback:
Rising numbers of Chinese exporters are shunning the US dollar or devising ways to offset the impact of the falling currency as they confront rising labour and raw material costs at home.According to, the online company that matches Chinese suppliers with international buyers, the vast majority of their almost 700,000 Chinese suppliers no longer use dollars to settle non-US transactions in order to minimise foreign exchange risk.So one could read the pending PBoC pilot of a yuan-based trade settlement system as a response to realities on the ground. But there have also been US reports of far more fundamental discontent with the dollar, per the New York Times in August:
Victor Shih, a specialist in Chinese central banking at Northwestern University, said that when he visited the People’s Bank of China for a series of meetings this summer, he was surprised by how many officials resented the institution’s losses [on dollar assets].He said the officials blamed the United States and believed the controversial assertions set forth in the book “Currency War,” a Chinese best seller published a year ago. The book suggests that the United States deliberately lured China into buying its securities knowing that they would later plunge in value.“A lot of policy makers in China, at least midlevel policy makers, believe this,” Mr. Shih said.And Reuters reported a more frontal attack in October in an article that appears likely to have been sanctioned:
The United States has plundered global wealth by exploiting the dollar's dominance, and the world urgently needs other currencies to take its place, a leading Chinese state newspaper said on Friday.The front-page commentary in the overseas edition of the People's Daily said that Asian and European countries should banish the U.S. dollar from their direct trade relations for a start, relying only on their own currencies...The People's Daily is the official newspaper of China's ruling Communist Party. The Chinese-language overseas edition is a small circulation offshoot of the main paper.Its pronouncements do not necessarily directly voice leadership views. But the commentary, as well as recent comments, amount to a growing chorus of Chinese disdain for Washington's economic policies and global financial dominance in the wake of the credit crisis.So seen against this backdrop, the pilot program looks to be part of a more concerted effort to reduce exposure to the dollar, even if it is not very significant in isolation. From the Shanghai Daily (hat tip reader Bill):
China's central bank said yesterday that it plans to implement a pilot program that would settle overseas trade with the Chinese currency instead of the US dollar.The People's Bank of China will expand financial cooperation with overseas economies and "properly deal with the global financial crisis," the central bank said."We'll actively join international efforts to tackle the global financial crisis while safeguarding national interests," the central bank said...China will allow the yuan to be used for settlement between Guangdong Province and the Yangtze River Delta, China's two economic powerhouses, and the special administrative regions of Hong Kong and Macau, according to the central bank.Meanwhile, exporters in the Guangxi Zhuang Autonomous Region and Yunnan Province in southwestern China will be allowed to use the yuan to settle trade payments with members of the Association of Southeast Asian Nations.Those moves are expected to facilitate overseas trade, as Chinese exporters might face losses if they continue to be paid in US dollars, analysts said.The dollar's exchange rate has become more volatile since the global financial crisis began.The central bank said it will make the exchange rate of the yuan more flexible and keep it "basically stable on a reasonable, balanced level."There has been speculation that the yuan's appreciation will slow down, which would help Chinese exports maintain price advantages in overseas markets. Note that China has been arguing for a fixed currency regime for some time. From their perspective, it makes perfect sense. Currency volatility is a deterrent to trade, since it increases uncertainty.
More on this topic (What's this?)
China Starting to Regurgitate US Debt (Blogging the Commodity Bull Market, 1/9/09)
China Pushes the Yuan's International Appeal (When Giants Fall, 12/26/08)
New High Yield Pick from Peter Schiff (Stock Gumshoe, 12/18/08)

fOLHA, 02-01-09
Ásia enfrentará um 2009 difícil
O excesso produtivo da Ásia precisa ser eliminado pela elevação do consumo ou pelo corte na produção
COM A recente desaceleração acentuada na produção industrial chinesa, a teoria quanto à desacoplagem mundial parece ter sofrido uma morte bem merecida. A ideia de que os países em desenvolvimento se haviam tornado menos dependentes das condições econômicas dos EUA, e assim poderiam estar isolados da crise norte-americana, baseava-se em uma poderosa combinação de má análise e de otimismo infundado. Na verdade, o primeiro estágio da crise afetou primordialmente os países que sofrem de déficits comerciais, entre os quais muitas das nações ricas. O segundo estágio verá a crise se expandir aos países que ostentam superávits comerciais, a maior parte dos quais em desenvolvimento. A dependência dos países em desenvolvimento quanto à demanda dos EUA deveria ter sido óbvia com base nos dados dos balanços mundiais de pagamentos, que demonstram que o déficit comercial dos EUA e o superávit comercial dos países em desenvolvimento subiram, como proporção do PIB mundial, quase ininterruptamente entre 1997 e 2007. Isso sugere que há muito mais crise ainda por vir. Até agora, a crise envolveu principalmente o ajuste em países grandes e de consumo excessivo -EUA, Espanha, Reino Unido, França, Itália e Austrália. O balanço mundial de pagamentos precisa chegar a um ponto de equilíbrio, e uma redução no consumo em uma das pontas do balanço precisa ser compensada por um ajuste semelhante na ponta oposta. Existem duas maneiras pelas quais o sistema pode se ajustar. Uma é que os desequilíbrios mundiais subjacentes se perpetuem. Os governos dos EUA e dos demais países com déficits comerciais podem tomar empréstimos e promover gastos agressivos para substituir o consumo domiciliar. Mas porque o consumo alimentado por endividamento em países como os Estados Unidos é um dos problemas fundamentais, simplesmente substituir o excesso de consumo de uma entidade americana pelo de outra não poderá servir de solução de longo prazo. O segundo caminho é que os países com superávit comercial promovam forte crescimento do consumo interno, provavelmente por meio de maciça expansão fiscal que se equipare à queda no consumo dos domicílios norte-americanos e, com isso, reduzam o problema da capacidade de produção ociosa. O problema para essa solução é que a escala do ajuste requerido está além da capacidade da maioria dos países. O ônus do ajuste recairá sobre os que têm superávits comerciais, a menos que os que apresentam déficits se disponham a absorver grande parte dele. Mas, dadas as realidades políticas, é a produção asiática que tem maior probabilidade de declinar. Os problemas econômicos serão graves e potencialmente desestabilizadores. Antes que isso aconteça, existe um grave risco de que países asiáticos, individualmente, tentem evitar essa contração na demanda via medidas comerciais que reforcem sua capacidade de exportar o excesso de capacidade -subsídios à exportação, financiamento subsidiado, desvalorização cambial, tarifas de importação- e assim lhes permitam forçar seus parceiros comerciais a cuidar do ajuste por excesso de capacidade. O excesso de consumo dos EUA era parte essencial do recente desequilíbrio mundial -e esse consumo precisa cair, e a poupança nacional precisa crescer. Mas, da mesma forma que o excesso de consumo norte-americano precisa cair, o excesso de produção da Ásia precisa ser eliminado. Isso só pode acontecer por alta no consumo ou pelo corte na produção. A Ásia terá um 2009 difícil.
MICHAEL PETTIS é professor de finanças na Universidade de Pequim. Este artigo foi publicado originalmente no "Financial Times".

The Great Dragon Awakens: China Challenges American Hegemony
By José Miguel Alonso Trabanco
URL of this article:
Global Research, January 6, 2009
Nowadays, most International Relations analysts acknowledge China's potential to achieve superpower status over the course of the next decades due to its impressive economic growth, which was triggered by Deng Xiaoping's economic reforms program (inspired by theorists like Friedrich List).

Will China's Economy Shrink from 2008 to 2009?
Yves Smith sends us to Reuters:
naked capitalism: Chinese Factory Output, Employment Falls at Record Pace: We expected economic conditions in China to deteriorate faster (at least for the next few months) than most had forecast, and that seems to be coming to pass. From Reuters:
Chinese factories slashed output and workers at a record pace in December and manufacturing activity overall fell for a fifth month as the global financial crisis hit export demand, a survey by brokerage CLSA showed on Friday. The figures, which CLSA said showed a sector close to recession, spell further gloom ahead for the Chinese economy and highlight the urgency with which the government is trying to cushion the country from the effects of the global crisis.... Official statistics showed that factory output grew just 5.4 percent in the year to November...
While the government is aiming to maintain growth at 8 percent in 2009 -- down from the 9.9 percent annual pace in the first nine months of 2008 -- many economists say growth could be well below that in the first half of this year.... New orders continued to shrink in December, at the second-fastest pace on record and marking the fifth straight month of contraction. New export orders also declined at the second-sharpest pace in the history of the survey. Firms' backlogs of work fell at the sharpest pace on record, and they accordingly cut their work forces by the biggest margin ever, boding ill for the government's efforts to preserve as many jobs as possible to help maintain social stability...

A China, Madoff e os "treasuries"
William Pesek - Valor
As livrarias de Pequim fariam bem em manter em suas prateleiras livros de Johann Wolfgang von Goethe. Sua obra ajudará as autoridades chinesas a compreender a "pacto faustiano" no qual estão envolvidas com os EUA.
A referência, aqui, é a abrir mão de princípios em troca de ganhos passageiros. Na literatura, o Fausto de Goethe é um mítico alquimista alemão que assume um um pacto com o demônio. E é nessa condição, essencialmente, onde a China, maior detentora estrangeira de dívida americana, se encontra no momento em que os EUA reaquecem sua economia.
O secretário do Tesouro, Henry Paulson, não é o diabo, mas em seu mandato os EUA transformaram-se numa enorme máquina emissora de endividamento. O Birô de Orçamento do Congresso (BOC) diz que o déficit americano mais que dobrará neste ano, para pelo menos US$ 1,18 trilhão, o maior desde a Segunda Guerra Mundial.
Barack Obama tem planos ainda maiores. As estimativas do CBO não incluem o custo do pacote de estímulo do presidente eleito, que provavelmente acrescentará pelo menos US$ 750 bilhões ao total nos próximos dois anos. No ano passado o déficit totalizou US$ 455 bilhões. Os EUA precisam do dinheiro chinês mais do que nunca.
"Passei a maior parte dos primeiros dois trimestres de 2008 embasbacado diante do ritmo de acumulação das reservas chinesas", escreveu, em Nova York, em seu blog, o economista Brad Setser, do Conselho para Relações Exteriores, nesta semana. "Suponho que passarei os primeiros trimestres de 2009 pasmo diante da escala do déficit fiscal americano".
Todo esse endividamento poderá fazer estourar o que Bill Gross, co-diretor da Pacific Investment Management Co., de Newport Beach, Califórnia, denomina "um mercado com algumas características de bolha". Isso não está escapando à atenção das autoridades em Pequim.
A China detém US$ 653 bilhões em títulos do Tesouro dos EUA, e há sinais de que os chineses estão perdendo seu apetite por dívida americana. A expectativa é de que a segunda maior economia asiática venha a cortar a presença de dólares em suas reservas de US$ 1,9 trilhão, e, possivelmente, substancialmente.
Os EUA estão, afinal de contas, agindo em detrimento de seu melhor cliente. Assim como acionistas abominam quando as companhias diluem suas ações com novas ofertas, os gestores da dívida chineses não podem ficar contentes com os planos do Tesouro.
Além de seu pacto faustiano, poderíamos nos perguntar se a China está também envolvida num "pacto madoffiano".
Não, o Tesouro não está armando uma enorme fraude do tipo pela qual é acusado o financista Bernard Madoff. Mas o cenário da dívida de US$ 5,3 trilhões mais se assemelha a um esquema Ponzi do que a um mercado.
Madoff personifica a ganância, falta de transparência e a confiança perdida que acompanharam a queda de graça dos EUA. Apesar de céticos terem questionado a veracidade do desempenho de Madoff ao longo de anos, as agências competentes não tomaram providências. Elas acreditaram nas afirmações e números de Madoff.
A razão pela qual as empresas de classificação de crédito não estão alarmadas e ameaçando rebaixar o status creditício americano é sua confiança. Existe uma profunda convicção de que esse emissor de moeda de reserva - não endividado em moeda estrangeira - sempre cumprirá suas obrigações. Isso não significa que estejam errados os críticos em cuja opinião o mercado transformou-se no maior esquema de pirâmide do mundo.
O que mantém o esquema funcionando é a idéia de que sempre haverá dinheiro novo entrando para salvar os investidores já participantes. O funcionamento apresenta uma dinâmica muito semelhante ao de um esquema de pirâmide. Os detentores de títulos do Tesouro americano não perderão tudo, como poderá ocorrer com os investidores ludibriados por Madoff. Mas a China vai sofrer, quando estrangeiros venderem títulos do Tesouro dos EUA e os rendimentos dispararem.
A questão é: com que agressividade a China irá se proteger do que parece cada vez mais um "conto do vigário". Economistas do Deutsche Bank AG em Frankfurt, por exemplo, estimam que a China reduzirá a participação de dólares (em suas reservas) para cerca de 45% neste ano, de mais de 70% em 2003.
Evidentemente, tendo se envolvido nesse arranjo, a China tem dificuldades para dele escapar. A função de sua economia é em larga medida vender produtos industrializados no exterior.
"Não estou sugerindo que esse modelo seja irrevogável", diz David Gilmore, sócio na Foreign Exchange Analytics, em Essex, Connecticut. "Como qualquer coisa em economia, o cenário evolui. Mas em meio a um desaquecimento mundial que o mundo não viu desde a Segunda Guerra Mundial, agora é a hora para que a China descarte o modelo econômico existente e adote um novo".
Desenvolver uma demanda interna é um objetivo de longo prazo que exige habilidade na condução de políticas e um nível elevado de tolerância a turbulência no curto prazo. Não está claro se 2009 é o ano em que deva ser promovida tal transição.
O melhor cenário para a China é que os consumidores americanos retomem a compra de seus produtos. A China tem auto-interesse em nada fazer que complique as coisas para a economia de maior porte. Desfazer-se dos títulos do Tesouro americano ganharia as manchetes, precipitaria uma aversão ao dólar e prejudicaria o crescimento americano.
Isso não significa que a China deseje arriscar mais dinheiro num esquema Ponzi em seus estertores. O mundo está cheio de exemplos de como isso pode terminar. E a China, com sua população de 1,3 bilhão de pessoas, certamente poderia usar uma parte desse dinheiro em casa, num momento em que sua própria economia revela-se claudicante.

Folha, 11-01-2009
Por que não desconsiderar os Brics
Os Brics devem crescer 4,7% e serão a única fonte de expansão de demanda interna no planeta em 2009
QUAL É a relevância das economias em desenvolvimento de crescimento elevado conhecidas como Brics -Brasil, Rússia, Índia e China? No início de 2009, sete anos após o Goldman Sachs popularizar o uso do termo "Bric", esses países estão enfrentando seu primeiro "choque" externo da década, logo a pergunta é crucial. Será que chegou a hora de editar o nome do grupo e reduzi-lo a "Bic", abandonando o R? Será que todos os Brics, por motivos internos próprios, encontrarão mais dificuldades do que esperam para enfrentar o desafio de uma economia enfraquecida nos EUA? Ou descobriremos que não só esses países serão capazes de enfrentar a situação melhor do que as pessoas acreditam no Ocidente como alguns dos modelos econômicos que eles criaram virão a ser imitados pelos países desenvolvidos, em seus esforços para enfrentar o declínio de seus sistemas de mercado cuja base é o setor privado? Será que a pressão por uma presença mais ampla nas instituições mundiais desaparecerá à medida que o crescimento perder o ímpeto ou 2009 será enfim o ano em que o G7 e o G8 desaparecerão da agenda, o G20 assumirá o comando e veremos o início de uma nova realidade? A mais recente projeção do Goldman Sachs para o crescimento do PIB mundial é de 0,6% em 2009. Projetamos declínio de 1,2% para os países industrializados. O crescimento de 0,6% deriva de uma projeção de alta de 4,7% para o PIB dos Brics, cujas economias respondem por cerca de 15% do PIB mundial. Nossas projeções quanto à demanda doméstica se assemelham aos nossos números sobre o PIB, o que significa que os Brics serão a única fonte de crescimento de demanda interna no planeta em 2009. Em 2010, prevemos que o crescimento da demanda interna nas economias avançadas subirá a 1,2%, e nos Brics, a 7,2%, por efeito do pacote chinês de estímulo. Se somarmos a essas projeções os resultados de 2008, projetamos que por três anos veremos os Brics na liderança da expansão da demanda mundial. É desse ponto de vista que os céticos deveriam avaliar se a história dos Brics realmente ficou no passado. Pelo final da década, eles podem estar perto de responder por 20% do PIB mundial. Trata-se de proporção mais alta do que qualquer dos quatro cenários que consideramos em 2001, quando escrevi pela primeira vez sobre a provável emergência dos Brics. Em lugar de sugerir que o nosso sonho Bric talvez seja tirado dos trilhos pela recessão mundial, a ideia de que os Brics podem se tornar coletivamente maiores que o G7, em 2035, torna-se mais plausível. Assim, como o Ocidente deve agir? Deve continuar preocupado com a ascensão dos Brics e a lastimar seus sistemas de governança ou, sob influência de Barack Obama, optar por recebê-los favoravelmente? Será que o Reino Unido, que está presidindo o G20, deveria propor uma reforma no sistema mundial de governança que dê a esses países posição semelhante à dos demais? Sim. As passadas preocupações quanto à falta de democracia ou de abertura de mercado precisam ser deixadas de lado, especialmente agora que a maioria dos países do G7 compreendeu que usar o governo para ajudar a orientar os mercados não é ideia tão ruim. Quando o G20 se reuniu em Washington em outubro, havia longa lista de coisas por fazer. Não há muita chance de realizar qualquer uma delas a não ser que o sistema de governança global e o G20 sejam reconhecidos como principal fórum decisório para essas questões. Quanto ao R dos Brics, é evidente que deve continuar a ser visto como parte do grupo. Ainda que a economia russa possa se contrair em 2009, sobreviverá à crise. Para se ajudar, seu governo precisa demonstrar capacidade de introduzir políticas que reduzam a importância dos preços do petróleo para o futuro econômico do país. JIM O'NEILL é vice-presidente mundial de pesquisa do Goldman Sachs. Este artigo foi publicado originalmente no "Financial Times" Tradução de PAULO MIGLIACCI

FOLHA, 16-01-2009
Sem trabalho, ex-lavradores voltam ao campo na China
Crise atingiu construção e indústrias, maiores empregadores de imigrantes ruraisEm 2008, 10 milhões de desempregados deixaram cidades chinesas para retornar ao campo; em 2009, número será de 20 milhõesRAUL JUSTE LORESDE PEQUIM Trocar a paisagem de arranha-céus modernosos e muitos neons das grandes cidades chinesas pelo interior, onde subsistem o arado manual e os casamentos arranjados.Esse grande salto para trás, do século 21 ao século 18, já foi dado por 10 milhões de chineses que perderam o emprego em 2008 e voltaram à lavoura.O êxodo urbano será um dos temas sobre a mesa do Ano Novo Chinês, que começa no dia 26. O feriado mais importante da China dura uma semana -e é a rara oportunidade para que 200 milhões de chineses visitem seus parentes no interior, em um país onde férias não existem na lei.Com previsões de que mais 20 milhões de empregos desapareçam em 2009, as famílias se perguntam onde é melhor ficar. Os dois setores que mais empregaram a vasta mão-de-obra inexperiente nas últimas duas décadas estão em crise. Há obras paradas em todos os cantos em Pequim e Xangai, e edifícios prontos vazios, esquecidos pelos compradores.As linhas de montagem que espalharam o "made in China" pelo mundo estão em velocidade reduzida. Mais de 2,5 milhões de operários perderam seus empregos na Província de Guangdong, no sul da China, a mais populosa e rica do país.Os retirantes chineses formaram o pilar da competitividade que levou o país agrário a se tornar potência industrial em menos de três décadas.A China virou a terceira maior economia do mundo, em parte graças aos 200 milhões de vidas severinas que desconhecem sábados e domingos, aceitam salários irrisórios sem reclamar e vagam pelo país atrás de empregos na construção civil e nas linhas de montagem das fábricas exportadoras."A primeira geração de migrantes rurais, nos anos 80, tinha vários irmãos, quase nenhum estudo e se readaptava ao trabalho na lavoura facilmente", disse à Folha a socióloga Zhao Wei, vice-diretora do Centro de Estudos do Trabalho na China na Universidade Normal de Pequim."As gerações mais jovens têm mais ambições, não têm experiência ou interesse de pegar na enxada. Esse é o desafio", diz Zhao. "O problema é que, com a rotina de trabalho, poucos têm tempo de aprender novas profissões."Há apenas um ano entrou em vigor uma nova lei trabalhista no país, que prometia mais estabilidade aos empregados e aumentava as punições a patrões que não pagassem horas extras e outros benefícios.A socióloga Zhao, que já trabalhou na única central sindical do país, criada e tutelada pelo Partido Comunista, diz que a precarização dos empregos restantes está a caminho. "Pequim diz que está tudo bem, mas nas Províncias patrões já escutam do governo que, desde que não demitam, podem fazer o que quiserem."Quem está voltando à sua Província por algum tempo é o pintor de parede Zou Ming, 31, depois de quatro meses em Pequim ganhando 140 yuans (R$ 46) por dia, mais que o dobro da média de seus companheiros na construção."Só estudei o primário, então não posso querer outros empregos, posso até aceitar menos. Meu sonho é um dia voltar com minha mulher e minha filha de seis anos para Pequim, mas é difícil", diz.Pela lei chinesa, cada habitante tem direito a serviços sociais em sua cidade de origem. Como a maioria dos migrantes não tem permissão de residência, sua estância é quase clandestina, mas tolerada pelo governo. Seus filhos, porém, não têm autorização para cursar o ensino secundário ou uma faculdade fora do local de residência. Forasteiros precisam de nota maior de corte no ultracompetitivo vestibular chinês. Os investimentos em educação e saúde ainda são bem menores em relação ao PIB que os do Brasil.Temor a protestosO governo chinês anunciou em novembro um pacote de 4 trilhões de yuans (R$ 1,33 trilhão, quase 2,5 vezes o total de investimentos do PAC), anunciando obras de infraestrutura, como a construção de mais aeroportos, ferrovias e rodovias.Protestos começaram a acontecer com mais intensidade no final de 2008, já como resposta à crise. De taxistas a operários que ficaram sem receber o salário quando suas fábricas faliram, a desaceleração econômica trouxe medo e insatisfação. Em vários casos, houve ataques à polícia e depredação de prédios públicos.Mas o maior temor é pelo destino dos 7 milhões de universitários chineses, cultos e ligados à internet, que se formam neste ano e terão dificuldade de encontrar trabalho.Há 20 anos, estudantes deram origem à maior onda de protestos na China nas últimas décadas, reprimida com tanques na praça da Paz Celestial.

"Invisíveis", imigrantes rurais não têm folga e vivem amontoados em galpões
Para turistas estrangeiros e emergentes chineses, o exército de retirantes é quase invisível. Diferentemente do Brasil, não é muito comum ver os migrantes se instalando em favelas e assentamentos irregulares ao redor das grandes cidades.A maioria dorme em beliches em dormitórios gigantes ao lado do emprego, seja uma construção ou uma fábrica. Faxineiras e seguranças de prédios comerciais costumam morar em dormitórios instalados nos porões dos próprios prédios.Por isso, poucos podem trazer a família. Levam uma vida solitária. Onde eles parecem maioria absoluta é na superlativa estação ferroviária Pequim Oeste. Ao redor da estação está a China que o Partido Comunista mais esconde: conjuntos habitacionais decrépitos, crianças sujas pedindo dinheiro e diversos ambulantes.Na Pequim Oeste, enquanto esperam os trens ao campo, perguntam-se se restam oportunidades nas grandes cidades. "Meus quatro filhos e eu deixamos o campo há muito tempo", diz o pedreiro Li, 58. Como a maioria dos migrantes ouvidos pela Folha, ele se nega a dar o nome completo e fica nervoso diante do fotógrafo. Na China, conversar com jornalistas estrangeiros ainda pode resultar em encrenca com o governo.Ele ganha 60 yuans por dia (R$ 20), trabalhando dez horas de jornada, sem descanso nem no final de semana. "Na lavoura, levo duas semanas para fazer o mesmo dinheiro", conta. Mesmo sem achar trabalho recentemente, diz que vai voltar.Ano do BoiOs retirantes aproveitam a semana de feriados pelo Ano Novo Chinês, conhecida como "Festival da Primavera", apesar das temperaturas polares, para visitar familiares. O Ano Novo é determinado pelo calendário lunar. No horóscopo chinês, é o Ano do Boi, e há boizinhos e vaquinhas vermelhos e dourados na decoração da cidade.Sem trabalho e para evitar a superlotação de trens, milhares viajaram antecipadamente."Vou duas semanas antes porque está difícil achar trabalho", diz o pedreiro Lin, 53. Ele trabalha há seis anos, ganhando 80 yuans por dia (R$ 26), e reclama que o salário não melhorou nesse tempo.No país, como as terras pertencem ao Estado, todo camponês tem direito a seu pedacinho de terra. Isso dificulta o crescimento de um agronegócio moderno, mas mantém milhões com o básico para sobreviver.Nesta semana, o governo anunciou um pacote de 9 bilhões de yuans (R$ 3 bilhões) para dar dinheiro às famílias mais pobres do país, como presente pelo Ano Novo Chinês.Cerca de 74 milhões de chineses, que vivem com menos de R$ 2 por dia, receberão 100 yuans (R$ 33) se moram na zona rural e 150 yuans (R$ 50) se nas cidades. (RJL)

Monday, February 16, 2009
China favors free trade, even if U.S. doesn't
The AP reports:
Measures in a $789 billion U.S. stimulus package that favor American goods are a "poison" that will hurt efforts solve the financial crisis, an editorial by China's official news agency said. Provisions in the U.S. stimulus bill approved Friday favoring American steel, iron and manufactured goods for government projects are protectionist measures that could trigger trade disputes, said the editorial....
U.S. labor groups that pushed hard for inclusion of the measures have argued that their main purpose is to ensure that U.S. Treasury dollars are used to the fullest extent to support domestic job creation.
China has promised to avoid "Buy China" protectionist measures in its own multibillion-dollar stimulus effort, and appealed to other governments to support free trade....
President Barack Obama is expected to sign the economic stimulus package on Tuesday in Denver, Colorado.
permanent link

18/02/2009 - 01h58
Na China, 20 milhões de migrantes estão sem trabalho
Bruno PhilipEm Feilong, Baishi (China)
"Se você tivesse vindo alguns dias mais tarde, só teria encontrado velhos e crianças!", diz Xiao Fixiong, 62 anos, falando das casas do vilarejo, uma mistura de fazendas tradicionais e de algumas construções mais modernas em cimento. No dia seguinte, a Festa das Lanternas vai encerrar as festividades do Ano Novo chinês, e a maior parte da força de trabalho de Feilong, uma aldeia de 200 famílias perdida no interior da província de Jiangxi, se prepara para voltar a trabalhar no Guangdong (Cantão), como todos os anos.Mas dessa vez, por causa da crise, os mingongs (trabalhadores camponeses) não têm a certeza de encontrar emprego nas ricas zonas costeiras: é toda a economia dos distritos rurais da China, dos quais muitos dependem do sustento financeiro desses migrantes, que está ameaçada.Ao contrário do que anuncia Xiao, nem todos partirão logo. "Trabalho em uma fábrica têxtil em Dongguan (perto de Shenzen)", diz o jovem Lin Qingui, de 29 anos. "Já faz alguns meses que a empresa funciona em um ritmo vagaroso. Não estou desempregado, mas não sei se ainda terei trabalho na semana que vem".No começo de fevereiro, o departamento de questões econômicas e sociais do "Conselho de Estado" divulgou estatísticas oficiais indicando que, dos 130 milhões mingongs que há anos constroem nas cidades o "milagre" econômico chinês, 20 milhões estão sem trabalho, um número que deverá subir. Segundo o governo chinês, 40% da receita dos lares rurais está ligada ao dinheiro enviado por trabalhadores migrantes às suas famílias.A crise mundial, que atinge a China de forma mais dura do que o previsto, preocupa as autoridades. O que farão todos esses trabalhadores camponeses que não são mais agricultores e cujas magras parcelas de terra cultiváveis não fornecem rendimento suficiente para que possam alimentar suas famílias? A desordem ameaça os campos, uma perspectiva que assombra a psicologia coletiva dos dirigentes chineses? A História lhes ensinou que, na China, as dinastias devem desconfiar das revoltas que amadurecem no terreno do descontentamento camponês."Eu lhes digo que todas as pessoas com menos de 50 anos trabalham nas cidades, mas eu, com 62 anos, ainda sou mingong", gargalha Xiao Cijiong, enquanto fuma mais um cigarro em volta de um chá pálido na sala de jantar onde sua família e seus vizinhos estão reunidos. No cenário poeirento de uma desordem indescritível, a China rural se empanturra e ri de suas misérias. No salão de chão cimentado, além da mesa, das cadeiras e de um bufê, reina uma velha televisão. Uma mobilete em mau estado está jogada em um canto. Xiao Cijiong conta: "Sou motorista em uma fábrica, na província de Zhejiang (perto de Xangai), eu ganho 2 mil yuans por mês (pouco mais de 200 euros). E não é com um mu de terra cultivável (15 mu = 1 hectare) que vou conseguir me sustentar! Preciso trabalhar no exterior".Em torno dele, uma pequena multidão escuta, atenta e risonha. Ainda com muitos uniformes tipo "Mao", bonés, cigarros nos lábios, a aglomeração é típica desse universo da China profunda: pessoas pobres, fatalistas e sempre prontas a zombar dos funcionários locais. "A corrupção está por toda parte, em todos os níveis, os dirigentes enchem os bolsos", comenta um velho homem.Alguns quilômetros adiante, a situação não é muito diferente no vilarejo de Baishi. A região e o lugar são carregados de História: a três horas de distância pela estrada, perto de Ruijin, os comunistas chineses fundaram, em novembro de 1931, sua primeira "República soviética". Aqui, três anos mais tarde, se rendendo diante do "quinto cerco" dos soldados de Tchang Kaï-check, o próprio Mao Zedong se refugiou em Baishi. Na entrada do vilarejo, é exibido um velho templo dos ancestrais que abrigou o futuro Grande Timoneiro durante quinze dias em 1934.Lin também trabalha na província de Cantão e explica que Gao Hao, sua fábrica de roupas que vivia em parte das encomendas vindas dos Estados Unidos e de Cuba, parou com todas as exportações a partir do segundo semestre de 2008. Havia trabalho para 1000 operários, e agora mal dá para 300. "Quer saber o que vou fazer?", ele explica, mexendo em seu celular. "Bem, vou esperar que me avisem que o bloco de encomendas está cheio de novo, e com meu grupo de colegas, vamos voltar a trabalhar". E se a usina não voltar a contratar? "Veremos", ele sorri, "aqui nós vivemos um dia de cada vez...""Eu não estou preocupado", interrompe Xiao Yilan, de 38 anos. "Antes éramos ainda mais pobres, trabalhávamos nos campos, sobrevivemos!" O homem, que dirige uma moto-táxi enquanto espera coisa melhor, é eletricista e encanador. "São os jovens sem qualificação que devem se preocupar, eu me viro", ele garante. Quanto a viver ainda da terra, ele calcula que não se deve contar com isso mesmo que "ao menos de fome não se morra"."Para realmente conseguirmos nos sustentar", ele diz, "seria preciso fazer criação de animais, com muitas galinhas e porcos. Eu colho 800 kg de arroz duas vezes por ano, e vendo a metade. Isso me rende de 2 a 3 mil yuans por ano. Mas mesmo que o governo tenha acabado com os impostos e nos conceda um subsídio de 15 yuans por ano e por mu, não se pode ir mais longe..."Ainda que o governo prometa construir "novas campanhas socialistas", expressão que significa que é preciso melhorar o nível de vida dos camponeses, as realidades do terreno cercam os limites dessas intenções. O encanador-camponês suspira quando lhe perguntam se ele está pronto para "transferir ou alugar" sua terra, como promete a recente reforma do setor rural. Isso permitiria aos agricultores que dispusessem de maneira mais sutil do direito sobre o uso das terras que eles não possuem, e que permanecem como "propriedade coletiva" dos comitês dos vilarejos.Hu Qili, de 92 anos, é um dos últimos sobreviventes a terem assistido à última reunião de Mao antes que ele se pusesse a caminho da Longa Marcha. Um brilho travesso dança nos olhos do ancião quando lhe perguntam, como piada, o que Mao poderia ter feito para salvar a China da crise: "Com o Mao, as pessoas eram mais puras. Mas a vida era mais brutal."

Ásia sofre mais devido à sua dependência do comércio
David Pilling, Financial Times20/02/2009
Escolha um número, qualquer um. Para a Ásia, todos são provavelmente ruins. A azarada Lau Wong-fat, designada, por Hong Kong para selecionar um palitinho da sorte em nome da cidade durante as recentes comemorações do Ano Novo Lunar, tirou o número 27, considerado pelos presentes ao evento como o mais aziago possível para o ano. Um adivinho no templo Che Kung, envolto em nuvens de incenso e consultando os céus para absorver inspiração, declarou que o resultado significa que Hong Kong não conseguirá se isolar da turbulência econômica mundial.
Não seria necessário nenhum mestre divinatório para dizer isso. Não apenas Hong Kong - que como cidade portuária e centro financeiro depende de sua abertura ao comércio mundial, agora em rápido declínio -, como também a Ásia inteira está em dificuldades. Em toda a região, especialmente no sudeste e nordeste asiáticos fortemente industriais, estatísticos governamentais vêm, eles mesmos, divulgando números infaustos.
Um dos piores veio do Japão, cujos bancos conservadores não tinham adquirido tantos ativos tóxicos, o que havia deixado a economia aparentemente menos ameaçada pela recessão. Essa ilusão acabou quando as estatísticas mostraram que a economia registrou uma contração de 12,7% no quarto trimestre. As exportações caíram chocantes 35% em dezembro, em comparação com o ano anterior, porque a demanda por carros, produtos eletrônicos e equipamentos de precisão despencou no mundo inteiro.
Isso se seguiu a uma série de mais dados negativos, entre eles queda de quase 10%, mês sobre mês, na produção industrial, forte aumento do desemprego, para 4,4% e uma queda na inflação, o que sugere que uma volta à deflação está está muito próxima. Tão forte tem sido a deterioração que o Fundo Monetário Internacional (FMI) previu uma contração de 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, sugerindo que o Japão poderá sofrer ainda mais do que os EUA, origem da crise de crédito.
Cingapura, Coreia do Sul e Taiwan disputam com o Japão a primazia de desaquecimento econômico mais acelerado. Cingapura, que funciona como indicador de atividade de comércio mundial devido à sua economia aberta, poderá contrair até 5% neste ano, no que poderá ser a mais profunda recessão desde o nascimento da cidade-Estado, em 1965. O FMI está prevendo uma contração de 4% na Coreia do Sul, embora o governo em Seul esteja bem mais otimista.
E sequer a China, uma economia que deverá crescer respeitáveis de 6% a 8% neste ano, está imune a estatísticas assustadoras. Na semana passada, o governo estimou que não menos que 20 milhões de trabalhadores migrantes rurais, que perfazem 15% do total, tinham perdido seus empregos depois que fábricas voltadas para exportações fecharam seu portões. Os céus azuis em Hong Kong são testemunho do fechamento de indústrias poluidoras que funcionam do outro lado da fronteira, no delta do Rio da Pérola.
A velocidade e a ferocidade da queda na atividade econômica asiática surpreenderam até mesmo os pessimistas. "Embora a Ásia não tenha sido o epicentro da crise, foi duramente atingida", disse Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do FMI. O Fundo espera um crescimento regional de apenas 2,7%, ou seja, uma fração dos 9% alcançados em 2007 e um ponto percentual mais baixo até mesmo do que durante sua própria crise financeira uma década atrás. Essa crise foi em larga medida autoinfligida, resultado de uma dependência excessiva de erráticos fluxos de financiamento estrangeiro. Desta vez, as contas com o exterior na região estão em melhor forma e a crise começou em outro lugar. Então, por que é que a Ásia parece a caminho de um tombo ainda mais doloroso?
Numa palavra: comércio. Como diz Strauss-Kahn, a Ásia está mais intimamente ligada à economia mundial do que uma década atrás. A região cresceu espetacularmente em cima de exportações, mas o outro lado da moeda é que isso agora a deixa mais vulnerável. À época da crise anterior, as exportações respondiam por 37% da produção da Ásia em desenvolvimento, segundo economistas do Morgan Stanley. Uma década mais tarde, o percentual subiu para 47%, à medida que os governos buscaram acumular grandes reservas em moeda estrangeira como proteção contra os choques em suas contas correntes que anteriormente os tinham derrubado. A consequência foi que a Ásia trocou sua dependência de financiamento externo por dependência de demanda externa.
Isso é enormemente importante para um mundo que, até apenas alguns meses atrás, tinha assumido que o impacto da crise no Ocidente de alguma maneira passaria ao largo da Ásia.
Um corolário dessa premissa errônea foi que a China - e em menor medida o Japão e a Índia - poderia de alguma forma arcar com o ônus econômico mundial, ao substituir a demanda americana e europeia em rápida desaparecimento. Essa esperança ignorou o fato de que, com exceção do Japão, nenhuma economia asiática ainda possui, sequer de longe, a escala necessária para desempenhar tal papel. Porém, o que é mais importante, a esperança ignorou quão consolidado é o modelo asiático dependente de exportações, e o grau de dificuldade para converter suas economias em motores alimentados por demanda interna. Como diz N.K. Singh, um membro do Parlamento indiano: "Não é questão de simplesmente estalar os dedos, e pronto".
De fato, não é. Cem Karacadag, do Credit Suisse, calcula que as exportações, excluídos seus conteúdos importados, respondem por até 66% do PIB de Hong Kong e Cingapura, quase metade da produção da Malásia e da Tailândia, e 33% da Coreia do Sul e de Taiwan. Ele diz que o impacto inicial de uma queda de 10% nas exportações sem levar em conta efeitos secundários - inclusive inevitáveis cortes de postos de trabalho e deterioração do otimismo do consumidor - eliminaria 2 pontos percentuais do crescimento de Coreia do Sul e Taiwan, e deixaria Hong Kong e Cingapura, cada uma, 7 pontos percentuais piores.
Jong Wha-Lee, do Banco de Desenvolvimento Asiático (BDA), diz que um forte aumento, nos últimas anos, do comércio intrarregional dissimula o fato de que 60% da demanda final por mercadorias asiáticas têm origem em países desenvolvidos. Ao mesmo tempo em que consumidores ocidentais adiam suas compras, muito comércio intra-asiático - grande parte de componentes, insumos e equipamentos de capital - também evaporou. Como se isso não fosse suficientemente ruim, economias dependentes de turismo estão sofrendo o impacto adicional da queda do número de visitantes. O turismo contribui com 5% a 7% do PIB em Hong Kong, Malásia, Cingapura e Tailândia. Além disso, se o emprego de trabalhadores estrangeiros no Golfo Pérsico e em outras áreas cair tão rápido quanto esperado, os países dependentes de remessas de dinheiro - como as Filipinas e regiões da Índia - também sofrerão um abalo.
No outro extremo da escala de desenvolvimento, o Japão está vendo fechamentos de fábricas, à medida que companhias entram no vermelho. A Toyota, principal fabricante de automóveis do mundo, advertiu, em meio a um colapso das vendas nos EUA, que registrará um prejuízo operacional de 450 bilhões de ienes (US$ 5 bilhões) neste ano, seu primeiro desde 1950. Apenas alguns meses atrás, o país previa um lucro de 600 bilhões de ienes.
Na China, o desaquecimento contrasta com o aceleradíssimo crescimento de 13% em 2007. Há sinais tímidos - inclusive uma forte recuperação nos empréstimos bancários - de que o crescimento, que caiu para 6,8% no quarto trimestre, pode ter batido no fundo do poço, depois que uma barragem de medidas de estímulo tomadas pelo governo começa a fazer efeito.
Pequim reconheceu com relativa rapidez a gravidade do desaquecimento na economia e anunciou já em novembro um pacote de estímulo de 4 trilhões de yuans (US$ 585 bilhões).
Muitos outros governos ainda não chegaram a esse amadurecimento. Na semana passada, a Austrália tornou-se o mais recente país a formular um grande pacote de estímulo, tendo anunciado gastos extras de US$ 29 bilhões.
O Japão, cujo Parlamento vive um impasse na discussão de medidas de estímulo, produziu uma série de ações heterodoxas, inclusive a decisão do banco central, na semana passada, de comprar até 1 trilhão de ações de propriedade de bancos.
Mesmo se essas iniciativas ajudarem a amortecer a dor do choque da demanda externa, a preocupação maior é com o que virá depois. Michael Pettis, um professor de Finanças na Universidade Pequim, argumenta que a China (e outros países) precisarão arquitetar um enorme reequilíbrio de suas economias direcionando-as para um crescimento puxado pelo mercado interno, para que possam ajustar-se a um mundo em que os consumidores americanos precisam recompor suas poupanças dissipadas.
"No melhor mundo possível, o consumo chinês cresceria em montante exatamente igual ao da queda no consumo americano", diz ele. Mas, como a economia americana tem dimensão mais do que três vezes superior à da chinesa, a magnitude de tal ajuste provavelmente estará além de suas possibilidades.
"Não há mais qualquer opção para a Ásia", concorda Clyde Prestowitz, presidente do Economic Strategy Institute, que durante anos advertiu que os desequilíbrios em nível mundial eram insustentáveis. "A Ásia tem de começar a consumir mais, mas não estou certo de que os líderes asiáticos com que tenho conversado tenham compreendido a questão", diz ele, acrescentando que isso exigiria modificações em provisões de crédito, incentivos tributários e regulamentação. "O modelo centrado em exportação extrapolou sua data de utilidade."
Se Prestowitz tem razão, a crise mundial significa mais do que um abalo cíclico nas economias asiáticas. Em vez disso, a crise sinaliza o começo de uma transformação profunda e, sem dúvida, dolorosa, à medida que se ajustam a um mundo no qual o consumidor americano deixou de ser o comprador de última instância. Se as economias asiáticas estão à altura desse desafio de longo prazo é algo que precisaremos perguntar aos adivinhos.
(Tradução de Sergio Blum)

Economia segue piorando e Japão terá contração inédita
Oposição pede renúncia de Aso

February 24, 2009
Did China Help to Create the Financial Crisis?
Was bad advice to developing countries partly responsible for the financial crisis? According to this, the answer is yes:
How China helped create the macroeconomic backdrop for financial crisis, by Moritz Schularick, Economist's Forum:
Over the past decade, China and other emerging markets accumulated foreign currency reserves to insure against the economic and political vagaries of financial globalisation. They were wise to do so. Countries with larger reserves are weathering the storm relatively better than those who have bought less insurance.
Although purchasing insurance policy might have been sensible from the perspective of each country, collectively these currency interventions prepared the ground for the global crisis. Emerging markets, most notably China, helped to create the macroeconomic backdrop for the current financial crisis by subsidising interest rates and consumption in the US. ...
[After] the Asian crisis... Emerging markets heeded Martin Feldstein’s advice and took out an insurance policy against the vagaries of financial globalisation. By running current account surpluses, intervening in foreign exchange markets and building up currency reserves, Asian and other emerging economies were sustaining export led growth and buying insurance against future financial instability.
These policies turned developing markets into net capital exporters to the developed world, mainly to the US. ... Yet the accumulation of large war chests of foreign reserves through currency intervention carried negative externalities.
The arrangement opened a Pandora’s Box of financial distortions that eventually came to haunt the global economy. The glut of savings from emerging markets has been a key factor in the decline in US and global real-long term interest rates, despite the parallel decline in US savings.
Lower interest rates in turn have enabled American households to increase consumption levels and worsened the imbalance between savings and investment. And because foreign savings were predominantly channeled through government (or central bank) hands into safe assets such as treasuries, private investors turned elsewhere to look for higher yields. This ... unleashed the ingenuity of financial engineers who developed new financial products for the low interest rate world, such as securitised debt instruments.
This is not to say that reserve accumulation was the only cause for the current crisis. Yet the core issue remained the Chinese willingness to fund America’s consumption and borrowing habit. Without this support, interest rates in the US would almost certainly have been substantially higher, acting as a circuit breaker for the developing debt-consumption bubble.
Beijing and others cannot be blamed for reckless lending into the housing bubble or leverage in western financial institutions, but it is clear that a vast amount of capital was flowing from a developing country ... to one of the richest economies in the world. ...
From the perspective of emerging markets, the academic debate as to whether reserve levels have grown excessive has been answered almost overnight in the current crisis. It is clear to policy makers from Buenos Aires to Budapest and Beijing that one can’t have too many reserves in a world of volatile capital flows. ... Have we therefore come to a crossroads for financial globalisation...? After the dust has settled, members of the economics profession will have to think hard about what the right policy advice ... should be. ... ... ... ...

The liquidity coming into the US from Asia and other sources such as the oil producing countries was a factor in the crisis, as were low interest rates under Greenspan, but the availability of large amounts of liquidity on easy terms in and of itself is not enough for problems to develop. How the liquidity is used is the important factor, and if the proper regulatory safeguards are absent, the liquidity may not be used very wisely (as we now know all too well).
With the proper regulatory apparatus in place, or with financial instruments that truly disperse and reduce risk as promised, the reserve balance insurance polices pursued by developing countries do not have to lead to a financial crisis. Distortions are one thing, a crisis is something else and the mere existence of distortions does not lead, by necessity, to a meltdown of the financial system. I am not arguing that no distortions existed, but the crisis was not a necessary consequence of those distortions. The article notes that "Beijing and others cannot be blamed for reckless lending into the housing bubble or leverage in western financial institutions," and I agree. With the proper regulatory framework in place, the crisis need not have happened, and I can't see how the absence of effective regulatory safeguards is the fault of the polices pursued by countries anxious to protect themselves from a repeat of the Asian crisis.

Quem serão os sobreviventes?
Suzanne Rosselet-McCauley
Nem mesmo a China está imune, pois muitas pessoas que investiram as poupanças de suas vidas em ações foram atingidas pela crise
À medida que a economia mundial inicia seu declínio, entrando no que cada vez mais economistas estão denominando recessão mundial, todos os países serão afetados, alguns mais do que outros. Permanecem as indagações: qual será a profundidade da recessão e quanto tempo durará? Será que alguns países sairão dela mais fortes, ao passo que outros tenderão ao colapso?
Um derretimento econômico mundial terá consequências sobre a competitividade nacional, que o IMD World Competitiveness Center define como sendo um estado que gera seu caminho para a prosperidade. Este é um conceito que engloba não só desempenho econômico, mas também o impacto sobre o ambiente, a qualidade de vida e as infraestruturas econômica e social.
Estima-se que o crescimento econômico mundial cairá para 0,5% neste ano, em comparação com 3,7% no ano passado e 5% em 2007. A maioria dos países industrializados ricos já entrou num período recessivo, e os países emergentes, que cresceram em média 7% a 8% durante os últimos anos, poderão frear o crescimento para 3,3%. Países dependentes de exportações, como o Japão, a Alemanha, a Coreia do Sul e a China, estão sofrendo devido à contração da demanda mundial e só poderão depender de mercados domésticos ou vizinhos para absorver a capacidade ociosa.
Nesta era da globalização, em que quase todos os países estão integrados à economia global, o mito do descolamento está morto. Os mercados emergentes da China, Brasil, Índia e outros não ficarão imunes à desaceleração na Europa e nos EUA, como muitas pessoas previam há seis meses. A crise financeira se revela muito mais ampla e profunda do que esperado.
No pior cenário, os países emergentes sofrerão suas próprias crises generalizadas. Os mais vulneráveis são os que dependem de capital estrangeiro (como a Hungria, os Estados bálticos, a Turquia, e a Ásia Central), ou que têm grandes déficits em conta corrente. Mas todos estão vendo seu crédito secar.
Muitas economias registram enorme destruição de riquezas devido à queda dos preços no mercado imobiliário e de colapsos nas bolsa. O efeito dominó começou com a crise no mercado de crédito imobiliário de segunda linha nos EUA, prosseguindo com o Reino Unido, a Espanha e a Irlanda. O Japão e a Alemanha já aderiram às fileiras dos países em recessão. Os efeitos já foram sentidos em países tão distantes quanto o Cazaquistão. Nem mesmo a China está imune, pois muitas pessoas que investiram as poupanças de suas vidas no mercado de ações, além de pequenas e médias empresas, foram particular e duramente atingidas pelo aperto de crédito.
O aperto na condições de crédito está afetando os gastos dos consumidores em todo o mundo. Os bancos têm cortado substancialmente seus empréstimos, e as condições econômicas no mundo inteiro estão deteriorando dramaticamente à medida que bancos, empresas e domicílios guardam cada vez mais seu dinheiro. As taxas de juros estão próximas de zero nos EUA, o Banco da Inglaterra já baixou as taxas de juros para 1% e o Banco Central Europeu cortou recentemente suas taxas para 2%. Quando a política monetária usual atinge seu limite, entram em cena opções fiscais, como redução de impostos e aumento da despesa pública.
Os EUA, Japão, União Europeia e China planejam gastar centenas de bilhões de dólares para estimular a economia. Mas sobrou algum dinheiro? A dívida americana ultrapassou recentemente a marca do US$ 1 trilhão - não houve espaço suficiente, no relógio da dívida nacional, em Nova York, para exibir os 13 zeros.
O Reino Unido está particularmente vulnerável, devido ao elevado nível de endividamento das famílias (150% da renda disponível, que é uma das mais altas no mundo desenvolvido) e elevada dependência do setor financeiro para manter elevado o nível de emprego. O setor responde por mais de 20% de todos os empregos britânicos, em comparação com apenas 6% dos postos de trabalho nos EUA, e contribuiu com cerca de 25% para o crescimento econômico do país nos últimos cinco anos.
A dívida do governo japonês equivale a mais de 170% de seu PIB. Na Itália, a dívida é superior a 100%. A Espanha e a Grécia não estão muito atrás. E, com exceção da Alemanha, todas as grandes economias industrializadas incorrerão em grandes déficits orçamentários em 2009. Numa crise como esta, que se manifesta uma vez na vida, esses países poderão sentir limitações em suas opções monetária e fiscal. E grandes déficits orçamentários e dívida elevada serão pesado fardo para as gerações futuras. Esses países podem estar diante de um longo túnel de estagnação e de uma espiral viciosa de dívida, o que é um panorama sombrio para sua competitividade.
Países superavitários, como a China, a Rússia e os países do Golfo Pérsico, acumularam enormes reservas que podem ser sacadas, à medida que os bancos centrais mobilizam-se em socorro aos bancos e a empresas sedentas por crédito. Essas reservas foram acumuladas para "dias chuvosos". O que não se esperava era um tsunami! À parte a Rússia, esses países superavitários poderão atravessar esta crise com menos danos do que os que não investiram suficientemente em sua competitividade futura. Mas isso também implica maior diversificação de atividades econômicas e investimentos em infraestrutura social, especialmente em ensino.
Muitos dos países em desenvolvimento provavelmente sofrerão declínios em sua competitividade, devido ao enfraquecimento das exportações e do aperto de crédito. Os países em piores condições, como a Hungria, podem ser socorridos pelo FMI; outros poderão receber fundos de países ricos. Mas, para colher ganhos em termos de prosperidade no longo prazo, esses países precisam cada vez mais se concentrar em aquecer sua demanda interna e contar menos com capital estrangeiro para seu crescimento. A sustentabilidade da competitividade dependerá também da forma como estes países adotarem as melhores práticas internacionais de governança empresarial, transparência, legislação trabalhista justa e flexível, proteção ambiental e um saudável tecido social.
Poderá ter países vencedores que encontrarão a receita "certa" para manter a competitividade, apesar de uma clima de maior incerteza e confusão. Poderemos ver também uma oportunidade histórica para o mundo mostrar uma frente unida diante da crise mundial. A cúpula do G20, em Washington, ano passado, implicou uma alteração na balança de poder econômico para maior inclusão de países emergentes.
Se as economias avançadas e emergentes puderem cooperar e se comprometerem a estimular a economia mundial e evitar o protecionismo, poderá haver ganhos de competitividade para os países que decidirem "unirem-se, em vez de permanecerem juntos" como gostava de dizer o ex-chanceler alemão Helmut Schmidt. Esses países poderão emergir mais saudáveis do desaquecimento mundial e beneficiarem-se de maior sustentabilidade em sua competitividade no longo prazo.
Suzanne Rosselet-McCauley é co-autora do IMD World Competitiveness Yearbook (WCY), publicado pelo IMD, com sede em Lausanne, Suíça.

May 2, 2009, 5:00 pm — Updated: 5:08 pm -->
The Chinese Language, Ever Evolving
By The Editors
The Times recently published an article about China’s effort to manage the vast number of characters in the Chinese language. A government computer database, designed to recognize people’s names on identity cards, is programmed to read about 32,000 of the roughly 55,000 Chinese characters, cutting out the more “obscure” characters.
This is not the first attempt to modernize a sprawling and ancient language. The most ambitious effort was the introduction of a simplified system of writing in the 1950s. As part of the Communist Party’s campaign to reduce illiteracy, simplified characters were promoted as the common written language, replacing many traditional characters.
More than five decades later, simplified characters remain the standard writing system of China, while Chinese elsewhere — especially in Taiwan and Hong Kong — continue to use traditional characters.
We asked several experts to explain the roots of this shift, and how it might affect the future course of the written language.
Read more…

A Comissão Trilateral: Usurpando a Soberania das Nações
Fonte: The August Review,
A Comissão Trilateral foi fundada em 1973 por iniciativa de David Rockefeller, o presidente do poderoso banco Chase Manhattan, diretor de diversas empresas multinacionais e de fundações isentas de impostos. Entre os cerca de 300 membros iniciais, estavam acadêmicos, políticos, magnatas da indústria, banqueiros internacionais, líderes de centrais sindicais e diretores dos gigantes da mídia. Desde a eleição de Jimmy Carter, em 1976, o Poder Executivo nos EUA foi literalmente seqüestrado pelos membros da Comissão Trilateral. Esse domínio quase absoluto, especialmente nas áreas do comércio, bancos, economia e política externa continua até hoje. Os fundamentos filosóficos da Comissão Trilateral são coletivistas: pró-marxismo, pró-socialismo e pró-fascismo. A Comissão está solidamente posicionada contra o conceito do Estado-nação e, em particular, contra a Constituição dos EUA. Assim, a soberania nacional precisa ser reduzida e depois abolida totalmente de modo a abrir o caminho para a Nova Ordem Internacional, que será governada por uma elite globalista não-eleita e com sua própria estrutura jurídica.
.... .... .... .... ..... ............

04/11/2008 - 01h53
A refundação do império
Juan Jesús Aznárez
Como será o mundo depois de George W. Bush? O próximo presidente dos EUA assumirá a tarefa titânica de refundar o império desfalecido que seu antecessor lhe deixa. Uma herança carregada pela terrível guerra do Iraque, a maior crise econômica desde 1929 e uma imensa perda de credibilidade internacional.
.... .... ..... ......

China and US can cross-fertilise
Published: January 20 2009 02:00 Last updated: January 20 2009 02:00
From Prof Sungjoon Cho.
Sir, Zbigniew Brzezinski’s insightful policy prescription on US-China relations (“The Group of Two that could change the world”, January 14) was well timed, in tune with Hillary Clinton’s Senate confirmation hearing as secretary of state the same day. His suggestion was also reminiscent of that of a former secretary of state, James Baker, which appeared in the FT almost a decade ago (“China: engage, not contain”, April 7 1999). Mr Baker observed that “the best way to find an enemy is to look for one”. Any future US foreign policy should be based on a firm perception that China is a collaborator, not an opponent.
.... .... ..... .... ..... ..... ..... ....

No coração da fome
Bruno Philip - Le Monde
Nenhum jornalista, escritor ou pesquisador chinês jamais havia ousado fazer um trabalho como o que Yang Jisheng fez: escrever um relato meticuloso e detalhado sobre a catástrofe econômica e humana do "Grande Salto" (1958-1961). Fruto das visões delirantes de Mao Tsé-tung, o plano de industrializar drasticamente a China se revelou um grande salto para trás, e provocou uma epidemia de fome que, segundo algumas fontes, deixou mais de trinta milhões de mortos.
Outros livros, publicados por estrangeiros, foram escritos sobre esse desastre. Mas nenhum jamais havia sido tão preciso.
Yang Jisheng, 69, um antigo jornalista da agência estatal de notícias Xinhua que entrou para o Partido Comunista em 1964, tem razões pessoais para ter se lançado à redação do livro que traz o título evocativo de "Mu Bei", algo como "Lápide Sepulcral". Seu pai foi vítima da fome enquanto ele, que estudava na província de Hubei, sobreviveu a esse período a duras penas. "Mesmo que os estudantes tivessem uma nutrição melhor, durante três anos, eu só comi arroz, arroz e mais arroz".
Em frente a uma xícara de café num bar típico de Pequim, ele conta que, na época, passava "fome o tempo inteiro. E além disso, tínhamos que ir trabalhar nos campos, arar a terra, ir colaborar para aumentar as quotas de produção de aço, construir diques..."
..... ...... ....... ....... ...... .....

O partido confucionista
Herald Tribune
Daniel A. BellEm Pequim
Há 20 anos, o maior movimento pró-democracia na história da China foi esmagado na Praça Tiananmen e o ativismo político de alto nível fora dos limites do Partido Comunista foi praticamente encerrado desde então.
Mas não procede que devemos ser pessimistas a respeito da evolução política da China. Embalar o debate em termos de "democracia" contra "autoritarismo" pode excluir outras possibilidades que têm apelo junto aos reformistas políticos chineses.
Eu atendi recentemente a uma conferência perto de Qufu, o local de nascimento de Confúcio, promovida pelas autoridades locais que falavam com orgulho sobre seus esforços para reviver o confucionismo sob a bandeira da "cultura chinesa".
É fácil esquecer que o Partido Comunista chinês, com seus 74 milhões de membros, é uma organização grande e diversa. Os círculos idosos, ainda influenciados pela antipatia maoísta à tradição, frequentemente condenam qualquer esforço para promover ideologias fora de uma rígida estrutura marxista. Mas os círculos mais jovens, na faixa dos 40 e 50 anos, tendem a apoiar esses esforços, e o tempo está ao lado deles. Parte do debate político envolve o esforço para reviver o confucionismo.
Os liberais devem se preocupar? Em um sentido mais importante, não. Os acadêmicos confucionistas -muitos dos quais membros do partido- defendem uma atmosfera ideológica mais aberta na qual novas ideias para reforma política e educacional possam ser debatidas e criticadas.
Eles apontam que o período intelectual mais fértil da China foi a era dos Estados em Guerra (476 a.C. a 221 a.C.), quando acadêmicos como Mencius podiam criticar abertamente os governantes por seus atos imorais e apresentar alternativas políticas. Meus amigos confucionistas criticaram as tentativas desajeitadas do governo de calar o debate a respeito da Carta 08, um manifesto publicado em 2008 que pedia ao Partido Comunista que abandonasse o monopólio do governo e estabelecesse um sistema multipartidário de governo.
... ... ... ... ... .... ....

China e petróleo no futuro do Brasil
Sergio leo
Para felicidade dos que apreciam a inteligência, o professor Antônio Barros de Castro, recém-saído de uma delicada sucessão de cirurgias, volta hoje ao debate público, numa participação de última hora no Fórum Nacional promovido pelo ex-ministro Reis Velloso. Barros de Castro apresentará a última revisão do estudo mostrado pela primeira vez durante a comemoração dos 200 anos do ministério da Fazenda, no ano passado. Ele garante que, apesar da crise financeira, inaugurou-se um novo grande ciclo na economia mundial, puxado pela China e favorável a países ricos em recursos naturais. Como o Brasil.
Na semana em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visita a China e a Petrobras é ameaçada com uma CPI pela oposição, as teses do professor Barros de Castro ganham um valor especial. O economista, ex-presidente do BNDES, onde hoje é assessor, afirma que, mesmo antes da crise financeira mundial, o mundo vinha deslocando o eixo de sua atividade comercial para a China, onde o recente dinamismo industrial "veio para ficar"; o mercado interno chinês promete ser fonte inesgotável de estímulo e pressão duradoura sobre certos mercados de matérias primas e fontes de energia.
Esse novo ciclo cria desafios para o Brasil, grande produtor de bens primários, que ganharam mais importância com o achado das gigantescas reservas de petróleo na chamada camada pré-sal da costa brasileira. Estudos do BNDES com base nos "preços de referência" projetados pelo Departamento de Energia dos EUA (barril de petróleo a US$ 72 entre 2015 e 2020, e a US$ 78 em 2025) indicam que, deixadas ao sabor das forças de mercado, as exportações brasileiras de petróleo chegariam a 27% do total das vendas externas do país em 2025 e a 28% em 2030; e ultrapassariam 40% se os preços acompanhassem as hipóteses mais fortes, acima de US$ 130 o barril, nesses anos.
O Brasil está bem servido de instituições para lidar com a maior importância do petróleo na economia nacional e distribuição das riquezas e responsabilidades geradas pela exploração do pré-sal, acredita Barros de Castro. Mais complicado é definir políticas a serem aplicadas nesse novo cenário, diz ele. Deixar a exploração de petróleo aos interesses do mercado seria esgotar mais rapidamente esse "bilhete premiado", e aprofundar a dependência da economia brasileira em relação a um recurso natural específico, trazendo efeitos negativos como dívidas e desestímulo à indústria.
Ele cobra uma visão de longo prazo, principalmente na maneira lidar com a forte entrada de recursos estrangeiros, de investimentos e exportações associados ao petróleo - fenômeno que estimula perigosamente o endividamento externo.
"Para que acelerar o avanço da oferta, gerando recursos que não devem e possivelmente não serão proximamente usados?", pergunta Barros de Castro, ao sugerir que o governo controle a expansão da exploração do petróleo e concilie essa atividade com outras mudanças e outros objetivos na estrutura industrial brasileira. O economista prevê um "conflito de interesses" com "ressonâncias no plano interno": de um lado, os interesses de longo prazo do país; do outro, os dos potenciais consumidores e produtores do óleo brasileiro.
Vai ter gente defendendo explorar com intensidade o pré-sal, até com o argumento de que petróleo deixará de ser importante fonte de energia em breve. Essa previsão é, porém, um motivo a mais para evitar que a economia brasileira se subordine à exploração desse recurso esgotável, contra-argumenta ele. Barros de Castro afirma que a descoberta do pré-sal só dramatizou a guinada econômica para a qual o Brasil vem sendo empurrado com a emergência consumidora da China. Uma mudança expressa na crescente importância de commodities na pauta de exportações brasileira.
É preciso entender essa mudança ao promover o apoio governamental ou tomar decisões empresariais no setor produtivo. Há atividades no Brasil fadadas à extinção e outras que merecem apoio e podem ser atropeladas pela pressão sobre os recursos naturais de exportação, alerta Barros de Castro. Forte estímulo à tecnologia e à indústria pode acompanhar o investimento nas commodities, com iniciativas como projetos de automação para equipamentos de águas profundas ou o desenvolvimento de máquinas agrícolas mais apropriadas para as características do campo brasileiro (e africano ou sul-americano).
Barros de Castro dá uma lição importante: as políticas para regiões ou empresas em dificuldades devem basear-se no "potencial por eles apresentado no novo contexto, não por suas qualidades ou problemas no passado recente". Como sempre, o professor vai muito além da velha quizília sobre se o governo deve ou não intervir na economia. Deveriam ouvi-lo mais.
Enquanto isso, na Arábia...
A Arábia Saudita, visitada neste fim de semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem o que se pode chamar de governo baseado numa interpretação radical e anacrônica do Alcorão. O homossexualismo é punido até com decapitação; a única religião permitida é o islamismo, judeus são discriminados e um blogueiro de lá foi preso por revelar que havia se tornado cristão; mulheres não podem votar nem andar desacompanhadas nas ruas (no Irã, podem). Trabalhar ou tirar documentos de identidade, só autorizadas por um homem. Além disso, não há imprensa ou sindicatos livres.
Ao receber o ministro Celso Amorim, na Câmara, na semana passada, deputados como Fernando Gabeira nem notaram a visita de Lula a esse país de regime medieval. Também se calaram os defensores dos direitos humanos que condenam, veementes, a política do Itamaraty para Irã e África. A Arábia, ao contrário do Irã, é aliada dos EUA e não ameaça o monopólio de Israel no domínio da tecnologia nuclear no Oriente Médio.
Amorim ganhou mais um argumento para sua tese de que certos críticos da política externa brasileira parecem guiados pelas agendas internacionais de outros países.
Sergio Leo é repórter especial em Brasília. Escreve às segundas-feiras

Commodities por sapatos
Presidente Lula inicia amanhã visita à China tentando reverter um jogo comercial que o Brasil já perdeu - FOLHA, 17-05-2009
O ziguezague desta viagem de Lula, que foi primeiro à Arábia Saudita, em seguida à China (amanhã) e depois à Turquia, sublinha o intento particular da diplomacia brasileira em cada um desses países.A visita a Riad deve ser vista no contexto dos planos sauditas de reconversão da economia do país no longo prazo. Até 2025, a Arábia Saudita pretende mudar sua base econômica, reduzindo a proporção de gás e petróleo -de 72% de suas exportações (em 2004) para 37% (em 2024).Paralelamente, o país conta com a produção de energia nuclear para diminuir a dependência de eletricidade gerada por hidrocarbonetos e ampliar as usinas de dessalinização de água.O objetivo comercial brasileiro visa o plano de desenvolvimento que cria seis novos polos econômicos para reequilibrar o peso de Riad e Jidda, as duas maiores cidades do país.Estradas, portos marítimos, zonas industriais e conglomerados urbanos são construídos em torno desses novos centros.Várias empreiteiras brasileiras estão de olho nestes projetos.No fim de maio, o presidente do Saudi Arabia General Investment Authority, o equivalente saudita do BNDES, vem ao Brasil.No pano de fundo, há o desejo da Arábia Saudita de se afastar da tutela americana, acentuada desde a queda do xá Reza Pahlevi, do Irã, em 1979 -até então, o principal aliado de Washington na região.Depois de viajar de Riad para Pequim, Lula visita a Turquia.Em 1865, quando o imã Abdurrahman al Baghdádi chegou ao Rio de Janeiro vindo de Istambul, houve desfiles militares e salva de canhões para saudar os dois vapores da Marinha otomana que o traziam.Vaticano muçulmanoO imã ficou três anos no Brasil e deixou um interessante relato sobre o islamismo oculto dos negros e escravos brasileiros (Paulo Daniel Farah, "Deleite do Estrangeiro em Tudo o Que É Espantoso e Maravilhoso - Estudo de um Relato de Viagem Bagdali", Biaspla, 2007).Na época, Istambul era o Vaticano dos muçulmanos, e os otomanos e seus imãs dominavam um conglomerado internacional que impressionava o império do Brasil. Depois, o império otomano foi esquartejado. Sobrou a Turquia, entalada na Guerra Fria como aliada privilegiada dos EUA às portas da União Soviética.Acabada a União Soviética, as repúblicas islâmicas do Cáucaso se fizeram independentes, e a Turquia retomou influência na região.A ponto de se falar agora de um neo-otomanismo, praticado por um governo turco que se liga ao Azerbaijão, país-chave do petróleo do mar Cáspio, e marca presença no espaço do antigo império otomano.Ahmed Davutoglu, ativo ministro do exterior turco, se aproxima da Armênia, do Iraque e do Irã, ao mesmo tempo em que promove discretos encontros entre diplomatas sírios e israelenses.Enjeitada pela União Europeia, a Turquia, porém, guarda sua posição estratégica entre o Oriente e o Ocidente. Certa ou errada, a aspiração do Brasil de se posicionar como um dos mediadores da crise no Oriente Médio implica um contato direto com o governo turco.Em todo este périplo, é obviamente a ida do presidente a Pequim, de amanhã a quarta, que terá mais destaque.Quando estabelecem analogias entre a crise de 1929 e a atual, os especialistas sublinham três diferenças que fazem as perspectivas presentes parecerem menos sombrias.A primeira é no plano social: os sistemas nacionais de seguridade criados nas últimas décadas amortecem os efeitos mais nocivos da crise junto da massa dos trabalhadores.A segunda é de natureza bancária, e conduz os Bancos Centrais a refinanciar abundantemente o sistema bancário para amenizar a contração de crédito que transformou a crise financeira de 1929 numa longa depressão econômica.A terceira diferença se refere à geopolítica. Em 1929, a China pesava pouco na economia mundial e no concerto das nações. Hoje, o país aparece como um dos pilares da ordem internacional e é a terceira economia do mundo, atrás dos EUA e do Japão.Além disso, ao contrário dos dois primeiros, ela vem atravessando a crise sem muitos contratempos.Dupla dinâmicaPara muitos, a China se transformou na tábua de salvação do capitalismo. Zbigniew Brzezinski, ex-conselheiro de Segurança Nacional do ex-presidente Jimmy Carter e influente conselheiro de Barack Obama, é mais concreto: para ele, só a China pode ajudar a conter o declínio da hegemonia mundial norte-americana.Tal é a leitura que pode ser feita do artigo que ele publicou no "Financial Times" (em 13/ 1/2009).No texto, resumo de uma conferência feita em Pequim, Brzezinski propõe a criação de um G2, formado pela dupla dinâmica EUA-China, que cuidaria de pôr as coisas em ordem. Tanto nos contenciosos mais urgentes, caso da Coreia do Norte e do Irã, quanto na questão da proliferação nuclear ou do efeito estufa. Brzezinski pensa que o espírito conciliador de Obama casa perfeitamente com o conceito de "mundo harmonioso" propalado pelo presidente Hu Jintao.Acessoriamente, ele admite que o G8 deveria se transformar em um G14 ou G16 para melhor compartilhar as responsabilidades mundiais.Como apontaram alguns analistas, Brzezinski subentende um status quo onde a preponderância americana deixaria de ser desafiada pelo expansionismo diplomático e econômico chinês. Algo que a diplomacia brasileira conhece de perto, sobretudo na África, e em particular em Angola.Maior credora do Tesouro americano, cortejada pelo mundo inteiro, a China pode dar tempo ao tempo. Isso se aplica também às suas relações comerciais com o Brasil, atadas a um anel de ferro em que as commodities brasileiras são trocadas por manufaturados chineses.Nesse sentido, o fato de que a China tenha se tornado a maior parceira comercial do Brasil não muda grande coisa. Já perdemos esse jogo antes. A China também. Só que agora ela é a dona da bola.
LUIZ FELIPE DE ALENCASTRO é historiador e professor na Universidade de Paris 4. É autor de "O Trato dos Viventes" (Companhia das Letras) e edita o blog Escreve regularmente no Mais!.

Viagem de Lula ressalta posição da China como fonte de recursos
John Lyons, The Wall Street Journal, de São Paulo
A indústria petrolífera brasileira tem na visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China o mais recente sinal de como a influência daquele país está crescendo em meio à crise econômica mundial.
Lula tem reunião marcada hoje, na China, com o presidente chinês Hu Jintao, que deve liberar bilhões de dólares em crédito para ajudar o Brasil a explorar suas enormes reservas de petróleo.
O Brasil vai retornar o favor garantindo a venda de petróleo para empresas chinesas.
Os países estão sendo jogados nos braços uns dos outros pela crise financeira. A estatal Petróleo Brasileiro SA quer gastar US$ 174 bilhões nos próximos cinco anos para elevar o Brasil ao alto escalão dos países produtores de petróleo. Como o mercado internacional de capitais está na UTI, a China é uma das poucas fontes de dinheiro.
A Petrobras está recorrendo à China numa época em que a presença chinesa na América Latina está em alta. O apetite do país por matérias-primas melhorou várias economias na região, que é rica em commodities. Isso aliviou o impacto da crise mundial nesses países. Em março, a China ultrapassou os Estados Unidos como maior parceiro comercial do Brasil.
Os termos do acordo ainda não tinham sido finalizados na semana passada, antes de o presidente partir, disse um alto executivo da Petrobras. O que está na mesa é um empréstimo de US$ 10 bilhões em troca de 200.000 barris de petróleo por dia, segundo um anúncio da Petrobras sobre as negociações este ano. O principal objetivo da China, porém, é usar os empréstimos para conquistar contratos para fornecer serviços e equipamentos numa época em que o Brasil está se tornando mais duro na negociação com firmas estrangeiras, disseram especialistas do setor.
Mesmo antes de um negócio ser fechado, os meses de negociações entre autoridades chinesas e brasileiras ilustraram a vantagem competitiva das empresas apoiadas pelo governo da China quando os mercados de crédito estão secos. Sublinhando a importância da China como banco de última instância, o Brasil recorreu ao país muito embora iniciativas de investimento com os chineses no passado tenham terminado em decepção.
"Os EUA têm um problema", disse o presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, recentemente quando perguntado sobre as negociações do empréstimo. "Não existe ninguém no governo dos EUA com quem possamos sentar e ter o tipo de conversas que estamos tendo com os chineses."
Gabrielli estava se referindo ao fato de que os bancos do governo chinês estão dispostos a dar empréstimos enormes para tomadores estrangeiros e, assim, aproximar a China de seus objetivos de segurança energética de longo prazo, que são: garantir diversas fontes mundiais de suprimento e obter acesso de suas petrolíferas a regiões competitivas.
Uma recente sequência de empréstimos petrolíferos para a Rússia, o Cazaquistão e outros levou o total de seus compromissos para mais de US$ 45 bilhões.
Esses empréstimos diretos do governo são uma ferramenta cada vez mais poderosa numa era em que três quartos das reservas mundiais de petróleo estão nas mãos de petrolíferas estatais.
Ao lidar diretamente com governos de países produtores, a China pode usar sua riqueza para reduzir o papel de grandes petrolíferas - os intermediários tradicionais entre produtores e consumidores de petróleo.
"O que se está vendo é uma nova geopolítica de petróleo, em que negócios começam com um entendimento político e deixam de lado as petrolíferas multinacionais", diz Roger Diwan, sócio da PFC Energy, uma consultoria americana do setor.
Certamente, multinacionais do petróleo como a Exxon Mobil Corp. e a Royal Dutch Shell PLC têm importantes vantagens tecnológicas e mais know-how de administração do que muitas estatais, o que as torna essenciais.
Além disso, as reservas mais tentadoras do Brasil são as do pré-sal, que ficam quilômetros no fundo do mar, embaixo de rochas e camadas instáveis de sal - e extrair esse petróleo provavelmente vai exigir a expertise e o poder das líderes do setor.
Por outro lado, a disposição da China de bancar projetos de petróleo deve acabar ajudando consumidores em outros países, segundo especialistas. A maioria do petróleo mundial é vendido no mercado internacional à vista para quem oferecer mais. A perspectiva do investimento chinês deve conter os preços por causa da consequente alta das reservas mundiais.
A Petrobras tem uma posição peculiar, por ser controlada pelo governo mas operar com um caráter de livre mercado e ter ações negociadas em bolsa, inclusive em Nova York. E ainda ganhou uma posição inusitada no setor por ter descoberto grandes reservas de petróleo e gás. A companhia tem muito mais reservas do que pessoal e dinheiro para extrair.
O Brasil está disposto a tornar realidade seus ambiciosos planos para o setor, mesmo em meio à recessão global.
"A Petrobras é uma companhia de ação", diz Matthew Shaw, analista sênior de América Latina da consultoria petrolífera Wood Mackenzie, da Escócia. "Ela está disposta a fazer acordos onde for necessário."

Superávit com China esconde problemas
País que Lula visita hoje pela 2ª vez virou maior comprador do Brasil, mas ainda há desavenças comerciais e políticas
Barreiras ainda impedem entrada de produto brasileiro; governo também se queixa da falta de apoio de asiáticos a vaga em Conselho da ONU


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega hoje a Pequim para tentar atrair investimentos chineses, por enquanto arredios ao Brasil, e derrubar várias barreiras que impedem a entrada de produtos brasileiros na China.
... ... ... ... ... ... ... ....

Brasil não está pronto para negociar, diz especialista
O momento é bom para atrair investimentos chineses ao Brasil, mas o país não está preparado para negociar com a China, nem para oferecer bons projetos, segundo o empresário Wladimir Pomar, professor de história da China na Universidade Cândido Mendes, do Rio.
Ele visitou o país em 1981 e em 1984, ainda fascinado pela Revolução Comunista, mas, desde 1996, é consultor de empresas brasileiras que querem investir na China. Abriu escritório em Pequim em 2004, onde passa um mês por ano. Pomar conversou com a Folha em um hotel de Pequim. (RJL)
... ... ... ... ... ... ...

Brasil e China estreitam laços
Jonathan Wheatley
Em São Paulo
Os presidentes da China e do Brasil se reunirão esta noite durante uma missão brasileira a Pequim destinada a cimentar as relações cada vez mais próximas entre os dois países e assinar um pacote de acordos comerciais e financiamentos para a Petrobras no valor de US$ 10 bilhões.
... ... ... ... .... ....

China and Brazil: Dump the Dollar
Posted by: Dexter Roberts on May 19
It is just the latest sign that China and other developing nations are increasingly ready to challenge the currency status quo. Just before beginning his three-day visit to China, Brazilian president Luiz Inacio Lula da Silva raised waves when he said he planned to continue discussions with Chinese leaders about the possibility of dumping the dollar in trade between the two countries. Instead, the Chinese Yuan and Brazilian Real would be used for transactions, significantly lowering costs for the two nations, he said. His call was echoed by a Brazilian central bank official Tuesday, who said the two countries bank governors were likely to meet soon to push forward the proposal.
... ... ... ... ... .... ... ...

China Talks Tough with Call to Dump Dollar
China's top central banker says it's time to replace the country's reliance on the dollar, but such a move likely won't happen any time soon
By Dexter Roberts
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ....

Morte do modelo chinês?
Maria Clara R. M. do Prado
A questão não é nova. Foi tema de farta discussão no final da década de 80, no Século XX, quando a economia japonesa entrou em um longo período de depressão, do qual, acredita-se, não ter ainda saído.
A extraordinária expansão entre as décadas de 70 e de 80 que transformou o Japão em reconhecida potência mundial, todos sabem, foram sustentados pelo modelo econômico de desenvolvimento que privilegia o crescimento a partir da exportação. Ou seja, o país desvia toda a sua capacidade de produção à venda ao mercado internacional. Para isso funcionar, no entanto, é preciso que tal país disponha internamente de uma forte propensão à poupança, situação em que o consumo doméstico é postergado para o futuro.
Mas não basta isso. Para ser bem sucedido, o modelo impõe também a necessidade de existirem sempre, na outra ponta, países importadores, dispostos a absorverem internamente o resultado da poupança acumulada no país exportador.
O modelo japonês foi replicado à farta pelos países do Sudeste Asiático, transformados em tigres nos primeiros anos da década de 90, até que tiveram de se contentar com as dóceis características dos felinos domesticáveis a partir da crise cambial que afetou profundamente a região em 1997.
Naquele momento, a China já havia aberto sua economia para o mundo e dava passos largos na consolidação do mesmo modelo de crescimento baseado na exportação. Passou a ser então depositária dos investimentos estrangeiros em busca de oportunidades de negócios e cresceu robustamente nos últimos dez anos tal e qual um espelho invertido cuja imagem reflexa era a expansão dos níveis de consumo nos Estados Unidos.
Toda aquela "engrenagem" simbionte rompeu-se com a crise do excesso de liquidez que vinha alimentando insustentáveis alavancagens financeiras com drásticas consequências para a economia americana.
E está ali justamente o fulcro das questões que têm sido ardentemente levantadas por especialistas desde então: para onde caminha o modelo chinês de desenvolvimento com o empobrecimento do consumo nos Estados Unidos?
Foi o tema da palestra do economista Michael Pettis, graduado pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, dedicado desde 2001 ao entendimento da economia chinesa e atual professor da Guangha School of Management da Universidade de Pequim. O título da palestra, proferida no Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC) na semana passada, era "The Global Crisis seen from China" ("A Crise Global vista da China"), mas quase todo o tempo da fala de Pettis foi ocupado pela preocupação com o futuro econômico da China.
O ponto central de sua apreensão tem a ver justamente com o seguinte fato concreto: para quem os chineses vão vender seus produtos considerando a perspectiva (inclusive com o aval político do presidente Barack Obama) de que por um bom tempo o alto consumo nos Estados Unidos venha a ser substituído por aumento da poupança?
Em outras palavras, que país ou grupo de país tem hoje condições econômicas de incorrer em enormes déficits em suas balanças comerciais para sustentar os superávits comerciais da China?
Pettis acha que com a retração dos Estados Unidos nenhum outro país ou área econômica será capaz de absorver a produção excedente - crescimento do PIB acima da taxa de expansão do consumo doméstico - da China. Não restaria, portanto, aos chineses nenhuma alternativa que não seja a do estímulo ao consumo interno. Isso parece claro até mesmo para algumas autoridades do governo chinês, mas Pettis argui justamente a eficácia das medidas tomadas com o objetivo de transformar gradualmente a China em um país com a economia orientada para o consumo interno em oposição ao modelo em vigor, orientado para a exportação.
Sem dúvida, as providências introduzidas pelas autoridades chinesas para estimular o consumo têm gerado algumas respostas concretas, como a retomada das vendas de automóveis, de investimentos em alguns grandes empreendimentos, além de outros dados indicativos de que a economia voltou a crescer com certo ímpeto. Isso suscitou uma nova onda de expectativas positivas. Muitos analistas independentes ou vinculados a bancos de investimento voltaram a apostar fichas em um crescimento mais expressivo da China para este ano, com previsões que pularam da faixa entre 5,5% e 6,5% para 7% e 8%.
Em meio à melhoria do humor do mercado, Pettis mantém-se cético. Ele acha, para começar, que o pacote de medidas padece do mesmo viés do modelo vigente, ou seja, direciona-se ao aumento da produção com a série de incentivos que passaram a ser distribuídos em especial para investimentos de maior porte. Não deixando de mencionar o fato de que o grande investidor e consumidor na China é o governo. O objetivo óbvio das autoridades com a política de estímulos é evitar o desemprego maciço, mas o ponto em discussão é de que não há ainda massa de consumo com renda suficiente para absorver internamente a quantidade de produto ofertada pelas empresas na China.
Alguns economistas argumentam que o descompasso entre consumo e produção internos será rapidamente resolvido com a política do governo de estimular os bancos a ampliarem suas linhas de crédito. Recorde-se que o saldo de empréstimos cresceu 15% na China, no primeiro trimestre deste ano. Mas também aqui Pettis não se mostra nada animado, pois acredita ser forte a tendência dos novos empréstimos transformarem-se rapidamente em créditos podres, contribuindo para deteriorar o sistema bancário, uma vez que boa parte dos novos empréstimos destina-se justamente a financiar o aumento da capacidade de produção. Esta, como se viu acima, não terá para quem vender.
"A cultura do crédito é muito fraca na China e antevejo um período de empréstimos não liquidados no futuro", disse Pettis na palestra do iFHC, convencido de que as medidas das autoridades chinesas para adaptar o país à queda do déficit comercial dos Estados Unidos estão equivocadas.
Todos os pontos apresentados por ele no iFHC estão amplificados em seu blog Ali, ele anuncia a morte do modelo chinês supondo o aprofundamento da crise dos EUA e antecipa que a China tende a entrar em uma década perdida caso as autoridades não introduzam medidas que impliquem na efetiva mudança do modelo de desenvolvimento.
Maria Clara R. M. do Prado, jornalista, é sócia diretora da Cin - Comunicação Inteligente e autora do livro "A Real História do Real". Escreve quinzenalmente, às quintas-feiras. E-mail:
[matéria de ontem, ele afirma que regulação não evita crise, in Keynes IV]

O Brasil e o duro jogo comercial dos chineses
A China joga duramente no comércio internacional e se afirma cada vez mais como uma potência que, amparada por quase US$ 2 trilhões em reservas, dá-se o direito de seguir estritamente a cartilha de seus interesses políticos e econômicos. É pouco provável que uma missão brasileira com mais empresários do que a que esteve recentemente em Pequim com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pudesse mudar este figurino. Houve acordos em petróleo e mineração que, mais soja e commodities agrícolas, é tudo o que a China busca hoje nos quatro cantos do globo com uma sede notável. E nunca se pode esquecer o fato de que a China é um grande competidor do Brasil em quase todos os setores, com exceção de matérias primas.
A China negocia o que lhe interessa com a prepotência de magnatas e a rispidez de um regime ditatorial. O governo chinês havia se comprometido a liberar as importações de carne de frango desde novembro do ano passado e a missão de Lula saiu do país com a sinalização de que agora elas poderão ocorrer. Poderá haver alguma melhora nas compras de carne bovina, mas isto não é seguro. No veto à carne de porco, da qual são grandes clientes dos EUA, os chineses são irredutíveis.
Espalhados claramente durante as reuniões estavam os sinais de insatisfação da China com a sábia relutância do governo brasileiro em cumprir sua promessa de considerar formalmente o país como uma economia de mercado. Os burocratas chineses citaram especificamente as ações antidumping brasileiras - a China é o maior alvo delas -, e sem as quais os empresários brasileiros não teriam qualquer defesa contra a invasão de produtos cuja formação de preços e custos é nebulosa. Eles insinuaram também que as empresas chinesas se sentiriam estimuladas a investir no Brasil caso pudessem levar mão de obra própria, o que vem fazendo com sucesso em seus projetos na África - e só lá.
Há um velho sabor colonial nesta exigência. Para encerrar o circuito em que a China escolhe a commodity que lhe falta, garante seu abastecimento no futuro com investimento externo direto em projetos exclusivamente de exportação para si em outros países, a única coisa que falta é que os próprios trabalhadores sejam chineses.
As discussões sobre negócios em setores complementares, como petróleo, foram duras. A Petrobras obteve US$ 10 bilhões de crédito tendo como lastro a venda de 150 mil barris de petróleo agora e, no futuro, 200 mil barris. O Brasil soube escapar das várias armadilhas dos hábeis negociadores chineses. Houve momentos em que os chineses pediram o pagamento exclusivamente em petróleo - fosse qual fosse a situação do abastecimento brasileiro e a disponibilidade do produto, a China estaria absolutamente garantida. Como contratos de longo prazo levam em conta o preço spot, os chineses demonstraram que gostariam de um desconto fixo sobre este preço. Não era tudo: Pequim queria que o gasto do dinheiro emprestado em petróleo servisse também para a contratação de empresas chinesas nos projetos. A Petrobras conseguiu transformar este abraço de urso em termos comerciais normais. Paga-se em dinheiro com juros pelo empréstimo (6,5%, abaixo do que vem pagando) e os recursos serão usados como a estatal quiser. Empresas chinesas serão chamadas se for conveniente aos interesses da Petrobras.
O jogo da China é muito claro. Com muitas reservas e com a disposição de reduzir a dependência do dólar, ela subordinou sua política comercial aos objetivos de longo prazo - obter as commodities de que carece, criar projetos cuja finalidade seja sua exportação para o mercado chinês e financiá-las impondo condições de venda de equipamentos e, quando possível, exigência de mão de obra chinesa. De seus investimentos externos, que dispararam a partir de 2004, praticamente a metade se concentra em petróleo e mineração e 25% em serviços financeiros, com transporte em um distante terceiro lugar (nota técnica do Ipea "A internacionalização das empresas chinesas"). Os interesses políticos da China são distintos dos brasileiros e, comercialmente, o Brasil precisa ser realista para definir objetivamente o que pode obter de um parceiro tão exigente.

China substituirá o império americano?
Quinta-feira, 21/05/2009 - O capitalismo salvou a China quando o comunismo implodiu. E a China agora salva o capitalismo quando ele entra em crise. O comentário ecoa nos centros de estudo e análise política pelo mundo.

How Beijing is Battling the Global Crisis
By Wieland Wagner
The West is pinning its hopes on China to revive the global economy. Beijing is orchestrating its efforts to combat the crisis as meticulously as it once planned the country's spectacular economic ascent.
Everything is colored a bright red, from the tent roofs protecting throngs of shoppers from the elements to the banners encouraging them to buy. Wang Shiqin, a 62-year-old farmer, hurried to the market in the early morning hours. Like most shoppers here, he already owns a television set, but now he wants to buy his first refrigerator -- subsidized by the Chinese government.
... ... ... ... .... .... ..... .... ..... .... .... ....
.. ... ... .... .... .... .... .... ..... ..... .... ....
Part 2: Omnipotent Crisis Managers

Como Pequim está lutando contra a crise global
Wieland Wagner
Der Spiegel
O Ocidente está depositando as suas esperanças na China para reavivar a economia global. Pequim está orquestrando os seus esforços para combater a crise de forma tão meticulosa quanto anteriormente planejou a espetacular ascensão econômica do país
Tudo é colorido de vermelho vivo, desde as coberturas das tendas que protegem dos elementos os inúmeros consumidores até os panfletos que os encorajam a comprar. Wang Shiqin, um agricultor de 62 anos, dirigiu-se apressadamente ao mercado nas primeiras horas da manhã. Assim como muitos consumidores daqui, ele já possui um televisor, mas agora quer comprar a sua primeira geladeira - subsidiada pelo governo chinês.
Há um clima misto de carnaval e competição no mercado de Feidong, uma cidade rural na província de Anhui, que fica a cerca de três horas de trem a noroeste de Xangai. Os vendedores apresentam barulhentamente eletrodomésticos, especialmente os de marcas nacionais, cujos preços estão reduzidos devido à campanha do governo para combater a crise financeira global.
Os chineses estão entre os maiores poupadores do mundo, depositando no banco uma parcela de suas rendas que é cinco vezes maior do que a proporção correspondente dos alemães. Mas agora o Partido Comunista quer promover o consumo coletivo.
... .... ..... ..... ...... ....

A short history of modern finance
Oct 16th 2008From The Economist print edition
The crash has been blamed on cheap money, Asian savings and greedy bankers. For many people, deregulation is the prime suspect
....... ............ .......... ..............

RUBENS RICUPERO - folha, 24-05-09
China-Brasil, relação assimétrica
Se quisermos equilibrar a qualidade da balança vendendo manufaturas, é preciso um câmbio favorável
O FATO de que 97% das exportações chinesas para o Brasil são manufaturados, enquanto o grosso das nossas vendas à China é constituído por soja em grão e minério de ferro, caracteriza um dos mais puros exemplos do que se costumava chamar outrora de relação assimétrica norte-sul ou simplesmente colonial. ... .... ... .... .... ... ... ... .... .... .... ...

O milagre chinês
Antonio Delfim Netto
Agora que a dura realidade começa a ensinar que "negócio da China só existe para chinês...", talvez seja interessante tentar entender como foi criado o mais importante fenômeno econômico do último quartel do século XX. É claro que, como todo processo histórico, ele tem múltiplas causas. Num supremo esforço reducionista, entretanto, podemos encontrar a sua "causa causans" (a causa de todas as causas) na continuação do movimento estratégico dos EUA para isolar a URSS. Ele foi iniciado logo depois da vitória na Segunda Guerra e perseguido com afinco durante a Guerra Fria.
Na conferência de Potsdam (17 de julho a 2 de agosto de 1945), os representantes dos EUA, do Reino Unido e da extinta URSS decidiram como administrariam, em conjunto, a vencida Alemanha nazista e impuseram um ultimato ao Japão. Este rendeu-se, incondicionalmente, depois de experimentar os efeitos devastadores de duas bombas atômicas e foi ocupado, administrativamente, pelos EUA. A intrigante história das relações de Mao Tsé-tung com a União Soviética e a vitória sobre Chiang Kai-shek, que lhe deu o controle da China em 1949, ainda está para ser contada. Há evidências que, durante a guerra, tanto EUA como URSS o ajudaram para impedir a completa conquista da China pelo Japão.
Terminado o conflito armado, no final dos anos 40 o mundo estava claramente dividido entre países de inspiração democrática, cuja organização econômica se apoiava em mercados descentralizados, e países de inspiração autoritária, cuja organização econômica se inspirava numa espécie de "engenharia social", o planejamento centralizado. Esta última vigorava na URSS e passou a vigorar na China, sob o controle da primeira, mas as relações entre elas foi se deteriorando a partir de 1956. Houve um rompimento em 1963, quando a "assistência técnica" soviética foi interrompida. Mao prosseguiu com seu voluntarismo até o desastre da Revolução Cultural (1976-1979).
Qual foi a reação estratégica dos EUA para enfrentar a dupla frente de oposição (a URSS na Europa e a China do Oriente)? Estimular a rápida e vigorosa expansão da Europa com o Plano Marshall e, particularmente, da Alemanha Ocidental, dando-lhe taxa de câmbio extremamente favorecida (4,2 marcos alemães/dólar) e abrindo-lhe o mercado para "segurar" a URSS na frente ocidental. Fez o mesmo com o Japão, modernizando suas instituições (com respeito a sua tradição), dando-lhe uma taxa de câmbio extremamente favorecida (360 ienes/dólar) e abrindo seu mercado, para "segurar" a China na frente oriental.
A economia centralizada sucumbiu na URSS (juntamente com o regime autoritário) com a queda do Muro de Berlim em 1989. Começou a morrer na China (com a permanência do regime autoritário) nos anos 70, quando o primeiro-ministro Chu En-lai (com Mao ainda vivo!) abriu negociações com os EUA e recuperou o pragmático Deng Xiaoping.
Em 1972, houve um acontecimento fundamental para a criação do "milagre chinês" que hoje conhecemos. Em Xangai, o presidente Richard Nixon e o primeiro-ministro Chu En-lai terminaram 23 anos de completo isolamento entre os EUA e a China, num comunicado em que se menciona, de passagem, uma desejada cooperação entre eles em "ciência e tecnologia". As relações diplomáticas só foram restabelecidas em 1979, quando o presidente Jimmy Carter (1977-1981) assinou com Deng Xiaoping o Tratado da Cooperação em Ciência e Tecnologia.
Trinta anos depois (2009), o seu resultado é o seguinte:
1) mais de um milhão de estudantes chineses fizeram seus cursos nos EUA, 2/3 dos quais sob as condições especiais do tratado, especialmente em ciência e tecnologia;
2) nos anos mais recentes, 40% dos artigos escritos por cientistas chineses em publicações internacionais têm como co-autores cientistas americanos;
3) por outro lado, quase 8% dos artigos de cientistas americanos têm como co-autores cientistas chineses;
4) em 2004, as empresas americanas instaladas na China aplicaram mais de US$ 600 milhões em pesquisas (e desenvolvimento) - R&D - em laboratórios chineses. E esses investimentos têm crescido continuamente.
O segredo chinês, ou melhor, o "milagre chinês" seguiu os passos dos "milagres" alemão e japonês: 1) capacitação profissional (não necessária nos primeiros dois); 2) taxa de câmbio subvalorizada; e 3) abertura do mercado dos EUA. Neste caso houve, ainda, uma completa abertura (as zonas de exportação) ao investimento físico das empresas americanas para produzir na China e vender nos EUA. Quase 2/3 das exportações industriais chinesas são realizadas por empresas com algum capital americano. Com isso criou-se o atual mercado interno urbano da China com sua mão de obra chinesa barata submetida a um regime de capitalismo selvagem, que só agora começa a civilizar-se.
O motor de partida desse formidável "milagre" foi o não menos formidável déficit em conta corrente dos EUA de 2000 a 2008 registrado na tabela ao lado. A competente administração chinesa soube usar, pragmaticamente, essa oportunidade para realizar seu eterno desejo de expansão, mas sabe, também, que seus interesses estão umbilicalmente ligados aos EUA
O Brasil beneficiou-se desse movimento que multiplicou por sete as reservas totais em divisas dos países emergentes, que são fonte de financiamento do déficit americano. Entre 2002 e 2008, nossas reservas cresceram cinco vezes: de US$ 40 bilhões para US$ 200 bilhões (3/4 dos quais aplicados em bônus do Tesouro americano), que eliminaram nosso sufoco externo sem que fizéssemos qualquer esforço exportador significativo.
Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. Escreve às terças-feiras

2009, o ano do G-2
Mas se os Estados Unidos não se cuidarem pode ser quea China saia da crise ainda mais forte e faça o G-1 sozinha
Lauro Jardim, de Pequim
Shawn Thew/Corbis/Latinstock
Reunião do "G-2"Hu Jintao e Obama: seguidos ataques à solidez do dólar, expansão do poderio bélico e provocações calculadas aos EUA

Nesta reportagem• Quadro: Quando a crise passar...
Nesta edição• A prova de fogo do dragão
Exclusivo on-line• Galeria: feira de empregos na China

Com um vigor que lembra o seu espantoso crescimento econômico das últimas três décadas, de quase 10% ao ano, a China está manobrando a seu favor o xadrez geopolítico internacional. Os movimentos do país que mais cresce no planeta contrastam com a perplexidade das grandes potências, semiparalisadas pela crise econômica mundial. Até meados da década, a China destacava-se na paisagem global por ter sido capaz de tirar da miséria centenas de milhões de pessoas. Agora a nação tem pretensões muito maiores. Quando se espanarem as cinzas jogadas pela crise sobre o mapa econômico e político, a China surgirá com uma estatura e uma força relativa inéditas na nova ordem mundial. Niall Ferguson, historiador da Universidade Harvard, resume com clareza esse novo papel de Pequim: "Os Estados Unidos deveriam se apressar a fazer uma reunião do G-2 com a China antes que ela faça um G-1 sozinha".
Nos últimos três meses, a China fez várias apostas. Todas elas altas. Numa ponta, mirou os EUA como alvo de ataques. Noutra, ousou comparar seu autointitulado "sistema superior" de governo com os praticados pelas democracias representativas do Ocidente. E bateu no peito para afirmar com todas as letras que seu sistema era mais eficiente para resolver a crise. Numa terceira ponta, abriu o cofre para comprar fabricantes estrangeiros de matérias-primas. Uma das aquisições mais espetaculares foi a de parte da mineradora anglo-australiana Rio Tinto pela estatal de alumínio chinesa por 19,5 bilhões de dólares. E, para completar, a China piscou o olho (e abriu a carteira) para países da Ásia, América Latina e África, num momento em que as nações desenvolvidas só veem os próprios problemas. O colosso chinês almeja, enfim, mais do que ser reconhecido somente como o chão de fábrica do planeta, somente como aquele país que produz 75% dos brinquedos e 36% do aço do planeta – e passou a deixar tal ambição patente. Ou, conforme a definição de Timothy Garton Ash, professor da Universidade Oxford, o dragão parou de agir como "mero lagarto".
... .... .... .... ..... ..... .... ...

Wolf: É do interesse de Pequim ajudar Geithner
Martin Wolf - 10-06-2009
Os países credores estão preocupados com a segurança de seu dinheiro. É isso o que liga duas das principais histórias econômicas da semana passada: o ataque da chanceler Angela Merkel às políticas monetárias adotadas pelos bancos centrais, incluindo o seu próprio e o Banco Central Europeu (BCE); e a pressão sobre Tim Geithner, o secretário do Tesouro americano, para convencer seus anfitriões em Pequim de que seu investimento em moeda e papéis do governo americano está seguro. Mas está? A resposta é: apenas se os países credores facilitarem o ajuste na balança global de pagamentos. Os países devedores ou exportarão sua saída desta crise ou serão levados a algum tipo de calote. Os credores terão que escolher qual.
A Alemanha e a China têm muito em comum: elas possuem os dois maiores superávits em conta corrente do mundo, de US$ 235 bilhões e US$ 440 bilhões, respectivamente, em 2008; e ambas também são potências de exportação de produtos manufaturados. Como resultado, elas sofreram como o colapso da demanda dos compradores superendividados de suas exportações. Logo, ambas se sentem terrivelmente injustiçadas. Por que, elas se perguntam, sua população virtuosa deve sofrer porque seus clientes se permitiram ficar tão quebrados?

It is in Beijing's interests to lend Geithner a hand
By Martin Wolf
Published: June 10 2009 03:00 Last updated: June 10 2009 03:00
Creditor countries are worrying about the safety of their money. That is what links two of the big economic stories of last week: Chancellor Angela Merkel's attack on the monetary policies pursued by central banks, including her own, the European Central Bank; and the pressure on Tim Geithner, US Treasury secretary, to persuade his hosts in Beijing that their claims on his government are safe. But are they? The answer is: only if the creditor countries facilitate adjustment in the global balance of payments. Debtor countries will either export their way out of this crisis or be driven towards some sort of default. Creditors have to choose which.

Os países devedores sairão da crise exportando ou sendo empurrados para algum tipo de calote
Interessa a Pequim ajudar Geithner
Martin Wolf
A decisão chinesa de acumular US$ 2 trilhões em reservas em moeda estrangeira foi, em minha opinião, um erro
Países credores estão preocupados com a segurança de seu dinheiro. Isso é o que interliga duas das grandes notícias econômicas da semana passada: o ataque da chanceler Angela Merkel às políticas monetárias postas em prática por bancos centrais, inclusive o seu, o Banco Central Europeu (BCE); e a pressão sobre Tim Geithner, secretário do Tesouro dos EUA, para que persuadisse seus anfitriões em Pequim de que os títulos do Tesouro dos EUA em suas reservas estão seguros. Estarão mesmo? A resposta é: somente se os países credores facilitarem o ajuste da balança mundial de pagamentos. Os países devedores sairão dessa crise através de dois caminhos alternativos: exportando ou sendo empurrados para algum tipo de calote. Os credores têm de escolher qual sua opção preferida.
Há muito em comum entre a Alemanha e a China: ambas têm os dois maiores superávits em conta corrente no mundo, US$ 235 bilhões e US$ 440 bilhões, respectivamente, em 2008; e ambas são também grandes potências exportadoras de produtos da indústria de transformação. Por essa razão, ambas sofreram com o colapso da demanda dos compradores, hoje superendividados, de suas exportações. Por isso, ambos os países sentem-se injustiçados. Por que, indagam-se, deveriam seus virtuosos povos sofrer porque sua clientela esgotou seu poder de compra?
Alemanha e China são também bastante distintas: A Alemanha é um produtor mundial extremamente competitivo de manufaturados. Mas é também uma potência regional em união monetária com seus vizinhos desde 1999. Seu problema é que cancelados pelo gasto excessivo predominantemente privado de seus vizinhos. Agora que os tomadores de empréstimos estão insolventes, a demanda interna de seus países foi ao colapso. Isso está produzindo uma enorme expansão de déficits fiscais e pressões em favor da adoção de políticas monetárias mais relaxadas por parte do BCE. Por isso, Merkel está motivada a enfraquecer a independência do banco central da Alemanha, visando proteger o objetivo ainda mais vital de manutenção da estabilidade monetária.
A Alemanha pode ser a mais importante economia na Europa. Mas a China é uma superpotência nascente. Sem pretender fazê-lo, os chineses já abalaram a economia mundial. A incorporação desse colosso dinâmico na economia mundial envolve enormes ajustes. Isso já é evidente em qualquer discussão sobre uma saída sustentada da crise.
Recente estudo do Goldman Sachs - infelizmente, não disponível publicamente - lança uma luz fascinante sobre o impacto da ascensão chinesa na economia mundial. Em especial, o documento amplia a análise do papel dos "desequilíbrios em nível mundial", sobre o qual eu (e muitos outros) escreveram.
A análise ressalta quatro aspectos notáveis na economia mundial durante esta década: enorme crescimento dos desequilíbrios na conta corrente mundial (com, em especial, a formação de enormes superávits nas economias emergentes); declínio mundial nominal e real na rentabilidade de todas as formas de financiamento; um crescimento dos retornos mundiais sobre capital físico; e crescimento do prêmio de risco dos investimentos em ações - a diferença entre os rendimentos de ações e de títulos. Eu acrescentaria a essa lista a forte pressão descendente sobre os preços em dólar de muitos produtos da indústria de transformação.
O estudo argumenta que a hipótese tradicional - de "super oferta de poupança mundial" - ajuda a explicar os dois primeiros fatos. De fato, a análise observa que uma alternativa popular - política monetária excessivamente frouxa - não consegue explicar as taxas reais de longo prazo persistentemente baixas. Mas, acrescenta, isso não explica os terceiro e quarto (nem meu quinto) aspectos.
A análise argumenta que um enorme crescimento da oferta de mão de obra mundial efetiva e a extrema aversão a riscos dos novos credores no mundo emergente explicam o terceiro e quarto aspectos. Como menciona a análise, "a acumulação de ativos líquidos estrangeiros foi inteiramente explicada por compras do setor público... e esses ativos foram canalizados principalmente para reservas". As economias emergentes asiáticas - a China mais que qualquer outra, registraram os maiores fluxos.
As enormes saídas de capital foram consequência de decisões de política econômica, entre as quais o regime cambial foi o mais importante. A decisão de manter a taxa de câmbio baixa também conteve os preços em dólar de muitos manufaturados. Eu acrescentaria que o estouro da bolha no mercado acionário em 2000 também fez crescer o grau de risco percebido no mercado de ações, e assim ampliou os atrativos dos supostamente seguros instrumentos de crédito cujo crescimento vimos na década de 2000. A pressão sobre os salários pode também ter estimulado as pessoas a se endividar, e assim ajudou a fomentar as bolhas de crédito na década de 2000.
Os autores concluem que a baixa rentabilidade dos títulos provocada por recém-surgidos excessos de poupança impulsionou os empréstimos insanos cujos resultados vemos agora. Com melhor regulamentação e fiscalização, a encrenca teria sido menor, como argumenta acertadamente o FMI em seu recente relatório Perspectivas Econômicas Mundiais. Mas alguém tinha de tomar emprestado esse dinheiro. Se não fossem as famílias, quem o teria feito? Governos, assim incorrendo em déficits fiscais maiores, ou empresas, já repletas de lucros? Essa é tanto uma história macroeconômica quanto de insensatez, ganância e regulamentação e fiscalização inadequadas.
E essa história não é apenas relato histórico. Tem implicações igualmente sérias para o mundo escapar da crise. O aspecto dominante na economia atual é que os ex-tomadores de empréstimos privados estão, francamente, arruinados. Para sustentar gastos, os bancos centrais estão sendo levados a realizar emissões monetárias, que Merkel teme, e governos estão sendo levados a promover enorme "despoupança", para compensar o desejado aumento na poupança privada.
Agora, a Alemanha quer preservar o valor de sua moeda, ao passo que a China está desesperada para preservar o valor de seus ativos estrangeiros. São objetivos compreensíveis. Mas, para que isso possa acontecer, os países devedores precisam estabilizar suas economias sem outra rodada de endividamento privado esbanjador ou crescimento indefinido de dívida governamental. Essas duas alternativas, em última instância, resultarão em calotes, inflação ou ambos, e portanto, em prejuízos para os credores. Para os devedores, a única alternativa para sair da crise está em ganhar dinheiro. Em nível de um país inteiro, isso significa um grande aumento das exportações líquidas. Mas para que os países endividados venham a alcançar esse objetivo, em uma vigorosa economia mundial, os países superavitários precisam expandir substancialmente sua demanda, em relação à oferta.
A decisão chinesa de acumular aproximadamente US$ 2 trilhões em reservas em moeda estrangeira foi, em minha opinião, um erro. Agora, a China precisa escolher. Se quiser segurança para seus ativos garantidos pelos EUA, precisará facilitar um ajuste no balanço mundial de pagamentos. Se a China e outros países superavitários desejarem acumular superávits enormes e acumular um vasto estoque de ativos financeiros, devem esperar calotes. Não podem, ao mesmo tempo, ter ativos estrangeiros seguros e superávits enormes. Precisam escolher entre os dois. Pode parecer injusto. Mas quem disse que a vida é justa?
Martin Wolf é colunista do "Financial Times".

China investe na expansão internacional de suas empresas
Michiyo Nakamoto, Financial Times, de Tóquio
Os chineses, nitidamente, têm a sensação de que levam a pior com muita frequência. Após sofrer grandes prejuízos com seus investimentos em bancos e empresas europeias e americanas, eles parecem ter modificado suas prioridades de investimento. Agora, estão investindo crescentes parcelas de recursos dos seus fundos soberanos em suas próprias companhias, para ajudá-las em suas estratégias de expansão internacional.
Essa mudança de tática parece mais evidente no insucesso na primeira tentativa do Banco da China de adquirir uma grande participação na Compagnie Financière Edmond de Rothschild, uma das mais aristocráticas casas europeias de "private banking". O negócio parecia praticamente fechado, cerca de um ano atrás, mas as autoridades chinesas, posteriormente recusaram-se a aprovar a transação.
Um dos principais executivos do Banco da China que mais defendiam o investimento no Rothschild foi recentemente descrito por uma alta autoridade chinesa como tendo absorvido uma dose algo excessiva do "espírito de Wall Street", o que talvez explique porque Pequim não deu sinal verde ao negócio.
Os chineses ainda estão sentindo as dores do intenso choque financeiro que sua seguradora Ping An sofreu no caso Fortis, e agora parecem decididos a impedir a proposta aquisição da marca Hummer, da General Motors, pela Sichuan Tengzhong, argumentando que o negócio pode envolver riscos demais.
Curiosamente, os chineses parecem agora estar adotando táticas russas, que há muito tempo vêm usando a Gazprom como instrumento para a construção de um império econômico. Na França, por exemplo, a GDF-Suez teve de ceder uma fatia de mercado ao grupo russo no setor energético como contrapartida para assegurar seu suprimento de gás.
Os chineses, por seu turno, parecem estar centrados em sua crescente experiência nos negócios com equipamentos para telecomunicações, e parecem acreditar que o setor poderá ser sua ponta-de-lança não apenas em outros mercados emergentes, mas também na Europa e na América do Norte. Os fundos soberanos chineses estão dando apoio financeiro à Huawei, mais importante fabricante de equipamentos para telecomunicações, e à ZTE, concorrente doméstica de menor porte.
Já ficaram no passado os dias em que a China era o lugar onde se ia para terceirizar - a baixo custo e despreocupadamente - cópias de artigos pelos quais se costuma pagar uma verdadeira fortuna no Ocidente.
No mundo das telecomunicações, bem como em qualquer outro, a China tornou-se uma potência. Não apenas estão no país algumas das maiores operadoras do mundo, como também seu vibrante elenco de fabricantes de equipamentos está competindo com respeitados nomes já tradicionais no Ocidente, como Ericsson e Alcatel-Lucent.
Os altos e baixos no desempenho dessas companhias europeias abriram caminho, para os chineses, por meio dos serviços que proporcionam a sua clientela após firmar contratos.
Evidências pontuais de algumas das principais operadoras de telecomunicações da Europa sugerem ser aqui que as recém-chegadas chinesas estão começando a roubar o espetáculo - e os contratos.
Mas essas operadoras também estão preocupadas com que, a persistir essa tendência, haverá risco de que os chineses tornem-se automaticamente os fornecedores predominantes - o que poderia ter consequências preocupantes para algumas das já desafiadas companhias europeias. Isso, por sua vez, aumenta a pressão sobre empresas como a Alcatel-Lucent para que disseminem urgentemente uma melhorada - e atualmente insuficiente - cultura de serviços, para ajudar a manter os chineses a distância e felizes seus atuais consumidores.
Se os europeus não reagirem, duas coisas poderão acontecer. As Alcatel-Lucents do mundo desaparecerão, deixando o campo livre para as Huaweis e ZTEs, ou então as grandes operadoras europeias suas clientes usarão seu poder de compra para impor mudanças na administração de suas tradicionais distribuidoras domésticas.
O que está em jogo atualmente é suficientemente valioso para sugerir que a segunda hipótese poderá ser o cenário mais provável - e em futuro não muito distante.

Ásia: Países da Asean, escaldados pela Crise Asiática, encaram recessão global com economia em ordem
Mais preparado, Sudeste Asiático já vê saída para crise
Frederik Balfour, BusinessWeek
Recessões econômicas dolorosas não são novidade para o Sudeste da Ásia. A região passou por sua própria crise financeira há mais de uma década, no que hoje parece ter sido um ensaio geral para as turbulências atuais. Companhias deram calote, bancos quebraram, os mercados de ações ficaram paralisados e economias encolheram a taxas de dois dígitos, enquanto os investimentos estrangeiros reduziam-se a um fiapo. Mas, cumprindo o seu dever, o Sudeste da Ásia engoliu a pílula amarga da austeridade, desvalorizando moedas e reduzindo as dívidas, enquanto os bancos se reestruturavam e as empresas colocavam ordem em seus balanços.
Agora, o Sudeste Asiático está sendo golpeado mais uma vez, vítima dos pecados cometidos no outro lado do globo. No quarto trimestre do ano passado as exportações da região despencaram depois que os EUA desmoronaram, seguidos da China. Enquanto isso, os investimentos estrangeiros caíram, uma vez que as multinacionais seguraram os investimentos. "É frustrante estarmos em uma crise que não provocamos", diz o premiê da Tailândia, Abhisit Vejjajiva.
Mesmo assim, esta recessão dificilmente será uma repetição da crise asiática. Isso é uma prova da força surpreendente dos dez países que pertencem à Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean, na sigla em inglês). Os bancos da região estão praticamente livres de ativos tóxicos e não vêm precisando de socorro do governo. Anos de superávits comerciais e taxas elevadas de poupança contribuíram para reservas internacionais recordes. O endividamento - dos governos, corporações e consumidores - é uma fração do registrado nos EUA e na Europa e a inflação e os juros caíram muito.
"É claro que existe uma recessão, mas esses países estão bem preparados para suportar a tempestade", afirma Mark Mobius, presidente da Templeton Emerging Markets Funds. "Eles vêm tendo um desempenho melhor que o dos mercados globais, o que quer dizer que eles vão se sair muito bem." As bolsas de valores dos países da Asean vêm liderando a recuperação das ações nos mercados emergentes, com os índices das bolsas de valores de Jacarta e do Vietnã apresentando recuperação de 70% e 80%, respectivamente, em relação aos pontos mais baixos verificados recentemente.
Algumas companhias que operam na região continuam se saindo bem, uma vez que a demanda por tudo que vai de computadores a passagens aéreas com descontos continua forte. A Unilever Indonesia está vendendo tanto seu creme dental Pepsodent e seu xampu Lifebuouy, além de outros produtos, que a receita do primeiro trimestre cresceu 18% para US$ 412 milhões, alavancando os lucros em 9%, para US$ 70 milhões. "O impacto da crise mundial é mínimo", afirma Franky Jamin, da Unilever Indonesia. E o banco Standard Chartered, que consegue dois terços de suas receitas na Ásia, afirma que os lucros do primeiro trimestre foram os melhores que já teve, indicando que a queda na região será menor e mais curta que em outras partes. A atividade de banco de varejo e os empréstimos a pequenas empresas estão vigorosos, enquanto os financiamentos imobiliários continuam crescendo, segundo Ray Ferguson, o diretor-presidente do banco para o Sudeste Asiático. As execuções de financiamento imobiliário, diz ele, "não são uma característica do mercado".
A força do Sudeste Asiático é um sinal de que a região ainda está no jogo. Ela pode estar meio esquecida por muitos investidores desde a crise, mas seus trabalhadores capacitados, recursos naturais e - pelo menos em alguns países - infraestrutura de primeira fazem valer a pena prestar atenção à região. A Asean tem uma população total de 560 milhões, e seu PIB combinado chega a US$ 1,3 trilhão, maior que o da Índia. Indonésia, Tailândia, Malásia, Filipinas, Vietnã e Cingapura - que respondem por cerca de 95% da economia da região - atraíram quase US$ 50 bilhões em investimentos estrangeiros diretos no ano passado, contra US$ 92 bilhões da China.
A General Electric (GE) já comprometeu mais de US$ 1 bilhão com o Sudeste Asiático nos últimos 18 meses. Esses investimentos incluem ampliação de instalações para manutenção de aviões em Kuala Lumpur e um centro de pesquisas em Cingapura. E em maio, a GE deu início ao seu primeiro projeto no Vietnã, uma fábrica de US$ 61 milhões na cidade portuária de Haiphong para a produção de geradores de turbinas eólicas para exportação. "Queríamos deixar a marca da GE em um país de alto potencial", diz Stuart Dean, presidente da companhia para o Sudeste Asiático.
Isso não quer dizer que a região não representa desafios significativos aos investidores. A burocracia e a corrupção são desenfreadas; a Indonésia está classificada na 126ª posição, de um total de 163 países, no ranking da Transparência Internacional, atrás de Nigéria e Nepal. Com leis nebulosas, o país, rico em ouro e cobre, não atraiu nenhum novo projeto estrangeiro de mineração em uma década. No Vietnã, o trânsito se move em ritmo de tartaruga por ruas e estradas que mal conseguem suportar motocicletas, quanto mais o número crescente de automóveis. E na Tailândia, turistas e investidores andam assustados com a instabilidade política, uma vez que manifestantes contra o governo conseguiram nos últimos meses cancelar uma reunião da Asean e fechar o aeroporto de Bancoc por dias.
Esses problemas, combinados à crise global, estão afetando o crescimento. Cingapura e Tailândia - que dependem das exportações - estão em contração. O Banco de Desenvolvimento Asiático (BDA) prevê que o Vietnã vai crescer 4,5% este ano; a Indonésia, 3,6%; e as Filipinas, 2,5%. São níveis quase de recessão para esses países. E os novos investimentos estrangeiros na Malásia caíram 79% no primeiro trimestre, para US$ 931 milhões, enquanto no Vietnã a queda foi de 71%, para US$ 2,8 bilhões.
Os governos estão lutando para formular planos de estímulo. Na Tailândia, onde a economia poderá encolher até 4% em 2009, as vendas no varejo vêm se segurando graças aos cheques de US$ 58 enviados pelo governo a 10 milhões de trabalhadores de baixa renda, como parte de um pacote de estímulo de US$ 45 bilhões por três anos. A fabricante de chips Intel prevê que os gastos resultantes do plano nas áreas de saúde e educação vão estimular as vendas de computadores que usam seus chips. As vendas de PCs no varejo nas cinco maiores economias da Asean cresceram 17% no primeiro trimestre, sobre o mesmo período de 2008, mais do que o dobro da China, segundo estimativas da consultoria GFK Asia.
A região também está crescendo rapidamente como centro de terceirização. Na cidade filipina de Cebu, aninhada entre colinas de cor esmeralda e recifes de corais reluzentes, o Asiatown IT Park, inaugudado há sete anos, é o lar de uma dúzia de call centers e lojas de terceirização de softwares. "Não é um emprego fácil, mas o salário é muito bom", diz Leyland Canoy, 29, que ganha US$ 470 por mês na companhia local eTelecare, onde ela presta suporte técnico aos clientes da Vonage, uma companhia de telefonia pela internet.
A indústria da terceirização nas Filipinas vem operando há anos, mas agora ela tem grandes planos de abocanhar até 10% do mercado mundial de terceirização da tecnologia da informação (TI). Wipro, Accenture, HSBC e outros vêm abrindo muitos escritórios de apoio administrativo e centros de suporte técnico no país, ajudando a construir um setor em que as receitas somaram US$ 6 bilhões em 2008 e emprega mais de 370 mil pessoas. "Estamos crescendo que é uma loucura", afirma Marife Zamora, presidente nas Filipinas da companhia americana Convergys, que pretende quase sobrar o número de funcionários no país para 20 mil este ano. Líderes do setor acreditam que até 2010 ele estará empregando 900 mil pessoas e gerando receitas de US$ 13 bilhões.
É uma meta ambiciosa, mas o país está apenas começando a se mexer na área de call centers. "Ainda falta conseguir escritórios de apoio administrativo nas áreas financeira e de contabilidade", diz Oscar Sañez, presidente da Business Process Association das Filipinas. A Accenture, que emprega cerca de 16 mil pessoas no país, está ajudando clientes a modernizarem seus sistemas de TI para que eles se enquadrem nas mudanças reguladoras que estão ocorrendo nos EUA, por causa da recessão. JP Morgan Chase, S.C. Johnson & Sons e Siemens estão ampliando seu trabalho de apoio administrativo no país. E a Wipro vai dobrar o número de funcionários nas Filipinas para 1,5 mil até outubro. "Os talentos são muito bons", diz Sanjeev Bhatia, vice-presidente de operações internacionais da Wipro BPO. "Estamos muito otimistas."
Empresas multinacionais ainda vão para o Sudeste Asiático em busca de alternativas de produção à China. A First Solar, de Tempe, Arizona, escolheu Kulim, na Malásia, para construir uma fábrica de US$ 680 milhões para a produção de painéis de energia solar. A fabricante de motocicletas britânica Triumph está construindo uma fábrica de US$ 73 milhões na Tailândia. E a Volkswagen (VW) lança no terceiro trimestre uma joint venture para a produção das minivans Touran na Indonésia.
O Vietnã, porém, é o principal beneficiário do movimento para a diversificação além da China . Sua proximidade com o continente e as tarifas baixas que ele goza no Sudeste da Ásia graças aos acordos comerciais da Asean são grandes incentivos, assim como sua força de trabalho produtiva e a cultura empreendedora. Em abril, a Samsung Electronics abriu uma fábrica de telefones celulares nos arredores de Hanói, um investimento de US$ 50 milhões. A cerca de 1,1 mil quilômetros ao sul, perto da Cidade de Ho Chi Minh, a Jabil Circuit (JBL) está construindo uma fábrica para a produção de placas de circuitos integrados no Saigon Hi-Tech Park, um investimento de US$ 100 milhões.
Ali perto, no local onde já foi uma plantação de arroz, trabalhadores estão construindo uma fábrica da Intel que começará a operar no ano que vem, um investimento de US$ 1 bilhão. "Acreditamos que mais companhias de alta tecnologia vão fazer o mesmo", afirma Rick Howarth, gerente-geral da Intel Products Vietnam. "A crise mundial pode ter afetado a disposição de investir das companhias, mas elas também estão sendo forçadas a olhar para novos mercados em busca de crescimento."
Uma das maiores forças da região é também uma fraqueza: uma dependência crescente das exportações, especialmente para a China. As fábricas que ficam em regiões costeiras do continente usam incontáveis peças fabricadas no Sudeste Asiático, usadas em produtos cujo destino final são EUA e Europa. Quando as exportações chinesas são afetadas, as economias da Asean também sofrem. "[O Sudeste Asiático] é uma região excessivamente dependente em relação à China, que cuida da montagem, enquanto os países da Asean cuidam da produção de componentes", afirma Charles Adams, professor da Lee Kuan Yew School of Public Policy, de Cingapura. "É preciso um maior comércio intrarregional de bens de consumo", conclui.
Há poucos sinais de que o Sudeste Asiático conseguirá se livrar dessa dependência no curto prazo. Os terceirizadores que estão nas Filipinas trabalham principalmente para clientes dos EUA. A Intel pretende exportar a maior parte de sua produção na Cidade de Ho Chi Minh, uma vez que os vietnamitas vão comprar apenas cerca de 3 milhões de computadores este ano, enquanto a fábrica da Intel poderá lançar no mercado centenas de milhões de chips por ano. E a fábrica de US$ 100 milhões da Canon para a fabricação de impressoras a laser, nos arredores da Hanói, a maior que ela tem no mundo, embarca seus produtos para os mercados internacionais.
Um acordo da Asean que siga os acordos de livre comércio na área automobilística firmados na região, poderá ajudar a reduzir a importância da China e do Ocidente. A Ford, por exemplo, envia veículos utilitários esportivos (SUVs) da Tailândia para o Vietnã, Indonésia e Filipinas. O livre comércio "nos dá volume suficiente", afirma David N. Alden, presidente das operações da Ford no Sudeste Asiático. "O mercado da Tailândia sozinho não poderia ter feito daqui uma base de negócios."
A AirAsia, uma companhia aérea de baixos custos da Malásia, sabe o potencial do mercado regional. Em 2001, o empresário Tony Fernandes assumiu uma companhia falida e a relançou com apenas dois aviões que voavam a partir de Kuala Lumpur. Graças à liberalização as viagens aéreas na maior parte da região, Fernandes tem hoje 81 aviões e 122 destinos em 16 países - sempre cidades menores que outras companhias ignoram. Ele espera transportar 24 milhões de passageiros em 2009, um crescimento de 30% sobre o ano passado. "Nos concentramos em construir uma marca na Asean", diz Fernandes. "Vimos uma oportunidade enorme que ninguém estava explorando."

Cúpula dos Bric: Brasil e Rússia queriam uso de novos mecanismos cambiais
China veta menção sobre redução do papel do dólar
Assis Moreira, de Ecaterimburgo
AP - com BOX grande..... sobre agenda dos BRICs
Os líderes dos Bric - o indiano Manmohan Singh (à esq.), o brasileiro Lula, o russo Dmitri Medvedev e o chinês Hu Jintao - durante cúpula do grupo realizada ontem em Ecaterimburgo, na Rússia
Os países do Bric - Brasil, Rússia, Índia e China - sequer mencionaram o dólar no comunicado final de sua primeira cúpula, realizada ontem em Ecaterimburgo (Rússia), refletindo o racha no grupo sobre como contestar a hegemonia da moeda americana na economia global.
A China, com US$ 2 trilhões de reservas, boa parte investida no dólar, freou as iniciativas envolvendo "swap [troca] de moeda" e outros mecanismos de financiamento entre os quarto, levando um analista presente na Residência Sebastianov, onde foi realizado o encontro, a lamentar que "o único comunista do grupo é o também o mais egoísta".
A única referência indireta ao tema de moeda feita pelo grupo foi dizer que crê que "há uma forte necessidade por um sistema monetário internacional estável, previsível e mais diversificado".
Num rápido relato da cúpula que o Brasil qualificou como "histórica", o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que houve menções entre os líderes de que "não podemos ficar sujeitos a flutuações de moedas de um único país, mas também a compreensão de que essas coisas ocorrem muito gradualmente".
Amorim argumentou que, se mudanças no sistema monetário forem feitas "de maneira brusca, criariam outra crise". O comércio em moeda nacional ocupou em todo caso boa parte de uma reunião bilateral entre o presidente Luis Inácio Lula da Silva e seu colega russo, Dmitri Medvedev.
Pouco antes da reunião dos Bric, Medvedev presidiu o chamado Grupo de Xangai, que inclui China, Irã e outros países da região, e afirmou que as atuais moedas de reservas, incluindo o dólar americanos, fracassaram em seu papel e que o sistema monetário está longe do ideal e traz muitos riscos.
Seu principal assessor economico, Arkadi Dvorkovich, chegou a informar a agências de notícias que Brasil, Rússia, Índia e China estavam considerando comprar bônus uns dos outros e fazer o swap de moedas, como Amorim antecipara ao Valor.
Mas o presidente chinês, Hu Jintao, permaneceu calado ou deu respostas evasivas quando se tratou do uso da liquidez entre os quarto, e que passaria pela questão de moeda. Em todo caso, a ideia é que a questão continue a ser estudada pelos ministros de Finanças.
Apesar da ausência da questão monetária, a conclusão da delegação brasileira foi de que os Bric podem agir juntos basicamente nos temas financeiros e econômicos. Foi destacado ainda o "papel central" do G-20, o grupo que reúne os principais paises desenvolvidos e em desenvolvimento.
O G-20 é o grupo que agora o Brasil espera emplacar, em lugar do G-8 , que é limitado a países ricos, como o diretório econômico do planeta. Segundo Amorim, Lula tem preocupação com movimentos que diminuam a importância do G-20, "uma tendência conservadora de delimitar" o grupo.
Os Bric conclamaram todos os países e instituições internacionais a "agir vigorosamente" para implementar as decisões tomadas pelo G-20 em Londres, em abril, para retomar o crescimento global. As decisões incluíam colocar mais liquidez nos mercados, combater o corte no fluxo de capitais para os países em desenvolvimento, por exemplo.
O grupo cobra tambem uma aceleração na reforma das instituições financeiras internacionais, a começar pelo Fundo Monetário Internacional, para refletir as mudanças na economia mundial. Querem que os emergentes tenham mais voz e representação nas instituições, que é uma luta que vai continuar ocorrendo até 2011 sobre quem passa a controlar mais fatias do FMI.
Brasil, Rússia, Índia e China tambem afrontam os Estados Unidos sobre a necessidade de os chefes de entidades internacionais serem apontados pelo mérito. Atualmente, o FMI é reservado a um europeu e o Banco Mundial a um americano. No G-20, os europeus aceitaram mudar isso, mas o governo Obama não quis nem entrar na discussão.
Os quatro países tambem fizeram uma declaração conjunta sobre segurança alimentar mundial. O objetivo foi basicamente o de contestar que a alta de preços dos alimentos seja provocada pelo aumento do consumo nos países em desenvolvimento. Eles apontam uma série de causas, da mudança climática à crise global atual.
O apoio à produção de biocombustível é visivelmente tímido, com a observação de que o produto deve ser sustentável do ponto de vista social, ambiental e econômico. Amorim admitiu que podia ser melhor, mas lembrou que havia um país produtor de petróleo no grupo - uma referência à Rússia.

Brasil, Rússia, Índia e China se reúnem para buscar alternativas para a crise
Soledad Gallego-DíazEm Buenos Aires (Argentina)

Economias dos países que compõem o Bric são muito diferentes
Chris Giles (Londres), Jami Anderlini (Pequim), Isabel Gorst (Moscou), Jonathan Wheatley (São Paulo)

Os chineses consideram a insegurança dos vizinhos mais ameaçadora do que nunca
A doutrina de estabilidade da China
Wen Liao
Agora que Obama adotou o realismo como sua estrela-guia diplomática, a China pode ter encontrado um interlocutor
Por duas décadas, a diplomacia chinesa tem sido guiada pelo conceito da "ascensão pacífica" do país. Hoje, porém, a China necessita de uma nova doutrina estratégica, pois o aspecto mais notável da vitória recente do Sri Lanka sobre os Tigres Tâmeis não é a sua natureza irresistível, mas o fato de a China ter fornecido ao presidente Mahinda Rajapaska os recursos bélicos e a cobertura diplomática de que necessitava para prosseguir na guerra.
Sem esse respaldo chinês, o governo de Rajapaska não teria os meios nem a determinação para ignorar a opinião mundial na sua ofensiva contra os tigres. Assim, a China não só se tornou central para cada aspecto do sistema econômico e financeiro global, como também mostrou a sua eficácia estratégica numa região tradicionalmente fora da sua órbita. Nos campos de batalha nas praias do Sri Lanka, a "ascensão pacífica" da China foi completada.
O que essa mudança significará na prática nos pontos de conflito do mundo, como Coreia do Norte, Paquistão e Ásia Central?
Antes do baque da crise financeira, a China se beneficiou enormemente da prolongada expansão econômica ao longo das suas costas meridional e ocidental, com apenas Burma e Coreia do Norte causando instabilidade. O sul e oeste da China, no entanto, se transformaram em fontes de crescente preocupação.
Considerando-se a insegurança econômica dentro da China na esteira da crise financeira e da recessão global, o governo chinês considera a insegurança nos territórios vizinhos mais ameaçadora do que nunca. A estabilização da sua vizinhança representa um dos motivos para a China apoiar as conversações das seis partes com a Coreia do Norte, para ter se tornado um grande investidor no Paquistão (ao mesmo tempo explorando formas de cooperar com o representante especial do presidente Barack Obama, Richard Holbrooke), para ter assinado uma declaração conjunta da cúpula Ásia/Europa que pede a soltura do líder da oposição mianmarense Daw Aung Suu Kyi e para ter feito uma intervenção para ajudar a encerrar a guerra civil de 26 anos do Sri Lanka.
O cálculo por trás da incipiente estratégia de segurança nacional da China é simples. Sem paz e prosperidade em torno das suas fronteiras, não poderá haver nenhuma paz, prosperidade ou unidade na própria China. A intervenção da China no Sri Lanka e sua visivelmente crescente insatisfação com os regimes norte- coreano e minamarense, indica que seu cálculo se tornou discretamente muito pertinente para o raciocínio do governo.
Por exemplo, apesar de a China pouco ter dito em público sobre a invasão e desmembramento praticados pela Rússia na Geórgia no verão passado, a Rússia cometerá um erro estratégico se equiparar o silêncio público da China com uma aquiescência tácita à reivindicação do Kremlim a uma influência "privilegiada" nos países pós-soviéticos a oeste da China.
Prova do descontentamento da China foi vista na cúpula passada da Organização de Cooperação de Xangai (OCX - um agrupamento regional que inclui os antigos países soviéticos que dividem fronteiras com China e Rússia). O presidente russo Dmitri Medvedev pressionou a OCX a reconhecer a independência da Abkhazia e da Ossétia do Sul. Mas a OCX se recusou. Os membros da Ásia Central na organização - Cazaquistão, Tajiquistão e Uzbequistão - não teriam enfrentado o Kremlin sem o apoio da China. Do ponto de vista da China, porém, o colapso soviético foi o maior benefício estratégico imaginável. De uma só tacada, o império que havia tragado territórios chineses por séculos desapareceu. A ameaça militar soviética - outrora tão grave que o presidente Mao convidou o presidente Richard Nixon para a China para alterar o equilíbrio de poder da Guerra Fria - foi eliminada. A nova autoafirmação da China indica que ela não permitirá à Rússia forjar uma reconciliação soviética de fato e, assim, desfazer o entendimento pós-Guerra Fria, sob o qual a economia da China prosperou e a segurança aumentou.
Até agora, os dirigentes da China consideraram a nascente concorrência estratégica com Índia, Japão, Rússia e Estados Unidos como uma competição pela influência na Ásia Central e no sul da Ásia. O imperativo estratégico da China nesta competição é duplo: assegurar que nenhum rival possa obter uma perigosa "influência privilegiada" em nenhuma das suas regiões fronteiriças, e promover a estabilidade, para que o comércio e as rotas marítimas que ele percorre (daí o interesse da China no Sri Lanka e em combater os piratas somalis) sejam protegidos.
Na década de 1990, a China tentou ocultar a sua "ascensão pacífica" por trás de uma "diplomacia do sorriso" projetada para assegurar que seus vizinhos não a temessem. A China reduziu as suas barreiras comerciais e ofereceu empréstimos e investimentos em condições favoráveis para ajudar os seus vizinhos ao sul. Atualmente, a China procura moldar a agenda diplomática visando aumentar as opções do país, ao mesmo tempo em que reduz as dos seus adversários potenciais.
Em vez de permanecer diplomaticamente reservada, a China está forjando mais relacionamentos com os seus vizinhos do que qualquer um de seus rivais. Esta rede informal está sendo arquitetada não só para impedir que seus rivais se unam ou conquistem influência privilegiada, mas também para refrear as ações dos parceiros locais da China para amortecer as tensões onde possam irromper.
A recém-descoberta autoafirmação da China, em vez de gerar medo, deveria ser vista como um meio de estabelecer as condições necessárias para iniciar negociações abrangentes sobre a própria base da coexistência pacífica e estabilidade na Ásia: o respeito pelos interesses vitais de todas as partes. Nos anos recentes, esta abordagem correu no sentido oposto à predisposição da política externa dos EUA, de promoção de doutrinas universalistas em detrimento de um cuidadoso equilíbrio dos interesses nacionais. Agora que a administração Obama adotou o realismo como sua estrela-guia diplomática, a China pode ter encontrado um interlocutor receptivo.
Wen Liao é presidente do conselho de administração da Longford Advisors, uma consultoria em temas políticos, econômicos e empresariais. © Project Syndicate/Europe´s World, 2009.

"China Crosses the Rubicon"
According to this analysis, China's economic interests are having a big impact on its strategic plans. It also makes it sound as thought Russia and China could be be headed for conflict over border regions. I'm not sure if this will generate much discussion or not, but I'm curious what you think about this:
China Crosses the Rubicon, by Wen Liao, Commentary, Project Syndicate: For two decades, Chinese diplomacy has been guided by the concept of the country's "peaceful rise." Today, however, China needs a new strategic doctrine, because the most remarkable aspect of Sri Lanka's recent victory over the Tamil Tigers is ... the fact that China provided ... both the military supplies and diplomatic cover ... needed to prosecute the war. ...
So, not only has China become central to every aspect of the global financial and economic system, it has now demonstrated its strategic effectiveness in a region traditionally outside its orbit. ... What will this change mean in practice in the world's hot spots like North Korea, Pakistan, and Central Asia?
» Continue reading ""China Crosses the Rubicon""

A China está determinada a traçar um rumo independente dos modelos do Ocidente
Muito terrorismo e pouco realismo econômico
Ernesto Lozardo
Há muito espaço de manobra para o governo chinês implantar novos estímulos fiscais à produção e ao emprego
A economia mundial parou de crescer e provavelmente não retornará à rota do crescimento antes de 2012. Essa crise global não foi causada pela China nem por nenhuma economia emergente, e sim pelos Estados Unidos. Não ocorreu como se ninguém soubesse dela. Muitos economistas apontaram para a gravidade econômica e social da crise financeira americana e de como ela atingiria quase todas as nações.
Como em toda crise econômica internacional, surgiram "terroristas" advogando o fim de um ciclo econômico, no qual várias economias emergentes sucumbirão, inclusive a chinesa. Essa análise parte do princípio de que as economias das nações estão "coladas" no comportamento da economia americana. Essa hipótese tem algum fundamento, mas não se pode generalizar para todas as nações, tampouco deduzir que a globalização esteja em fase terminal e que a pujança da economia chinesa acabou. Não estou, no entanto, endossando a hipótese do "descolamento" das economias emergentes em relação às desenvolvidas. O que temos de concreto é que, após a Grande Depressão de 1929-33, os Estados Unidos estão enfrentando uma das piores crises de natureza financeira, fiscal, previdenciária e estrutural por conta da ideologia econômica neoliberal. Felizmente não há crise política, como ocorreu no governo de Richard Nixon. É forte a coesão política nacional, com esforços direcionados à reconstrução econômica e à busca de um novo papel do governo nas políticas públicas para a sustentação do crescimento de longo prazo.
O que há de realismo é o fato de que os EUA representam 23% da produção e 28% do consumo global. Esse é o peso da economia americana na economia mundial. A economia chinesa representa 8% da produção mundial e deverá ser a segunda maior economia do mundo nos próximos 30 anos. Segundo os economistas "terroristas", o modelo econômico chinês fracassará porque a China conseguiu crescer e se desenvolver exclusivamente por conta da elevada demanda do consumidor americano e, com a crise econômica dos Estados Unidos, perdeu seu principal combustível de crescimento.
Com base nessa análise equivocada, são feitas alegações ainda mais descabidas, como a de que todo o parque industrial chinês ficará ocioso porque, com a recessão econômica americana, haverá um enorme desemprego no setor de exportação. As indústrias de exportação não conseguirão direcionar seus produtos para o consumo interno e a China, assim, ficará arrasada. De acordo com essa visão, assistiremos o cenário de populações de cidades e províncias totalmente desempregadas. Se tudo isso acontecer, a China crescerá a taxas inferiores a 3% ao ano e a enorme poupança chinesa (45% do PIB) não será gasta em consumo - o modelo chinês, então, fracassará (como sustentam Michael Pettis, Paul Krugman e David Leonhard).
Essa visão catastrófica não tem nada de ingênua, e sim um claro desejo de mudar o foco das coisas, podendo chegar ao limite de distorcer a realidade e deixar a impressão na mente dos desavisados de que a causa da crise financeira global originou-se na China.
Esses "terroristas" se esquecem de analisar alguns detalhes do modelo de crescimento chinês que independem da economia dos Estados Unidos. Os investimentos públicos e privados continuarão expandindo-se, dando preferência à economia interna. O povo chinês consome 65% do PIB, ou seja, US$ 2,8 trilhões por ano. O governo chinês tem superávit em torno de 10% nas contas públicas e dispõe de elevada fonte de recursos externos vindos da diáspora chinesa. Há muito espaço de manobra para o governo chinês implantar novos programas de estímulos fiscais à produção e à criação de empregos. Ademais, 46% das exportações chinesas são direcionadas aos 37 países do Pacífico Asiático e 42% delas são efetuadas pelas Township and Village Enterprises, um conjunto de 22 mil empresas privadas que empregam, em média, seis pessoas da comunidade espalhadas nas principais províncias do país.
A China está sofrendo o impacto da recessão dos Estados Unidos, mas crescerá a uma taxa média de 6% ao ano até 2012; entretanto, após esse período retomará o crescimento de forma expressiva, como ocorreu no período pré-crise americana. Nos últimos 60 anos, a economia chinesa cresceu a taxas médias de 6% ao ano. Isso significa que o produto nacional cresceu 34 vezes. Nesse período, tanto a economia mundial passou por diferentes crises, como a própria China se transformou de forma objetiva e pragmática, aproveitando as oportunidades existentes no comércio internacional.
Assim como os Estados Unidos precisarão da retomada da economia mundial para assegurar a sustentabilidade do seu crescimento de longo prazo, a China depende desse crescimento para abastecer o mundo e ter acesso à inovação e aos avanços tecnológicos internacionais a fim de melhorar as condições de vida do seu povo. Dentro desse entendimento, não existe a hipótese fantasiosa do "descolamento" do crescimento dos países emergentes em relação aos desenvolvidos, e sim a capacidade de cada nação se adaptar e extrair vantagens competitivas diante da realidade de interdependência econômica, financeira e comercial existente entre as nações no capitalismo global.
A China voltará a ter crescimento acelerado antes das demais economias desenvolvidas. Os acordos de comércio internacional serão retomados, dentro de um contexto de maior realismo e pragmatismo internacional, sem os vieses ideológicos das nações.
É importante analisar a economia chinesa pelos olhos do dragão, e não pelos da águia americana. O povo chinês se vê como uma potência econômica mundial e está disposto a superar todos os obstáculos para alcançar essa meta. O governo chinês está determinado a traçar um curso de crescimento independente dos modelos econômicos, políticos e institucionais do Ocidente. O Império do Meio retornou e está decidido a resgatar não somente o esplendor do passado, como também as promessas para o futuro.
Ernesto Lozardo é professor de Economia da EAESP-FGV. Autor do livro "Globalização: a certeza imprevisível das nações" (Editora do Autor).

Ásia: Crise acentua debate sobre a dependência em relação à indústria exportadora, e país busca novo rumo
Japão repensa sua identidade industrial
Robin Harding e Jonathan Soble, Financial Times
Dentro das fileiras de construções com laterais de metal de um subúrbio perto da praia, a uma hora de Tóquio, máquinas verde-água produzem o mais básico dos componentes industriais: pares de anéis de aço dentro dos quais giram bolas ou cilindros de aço.
.... .... ... .... ... ... .... ... ..

ANÁLISEEUA não devem superestimar a China
Folha, 01-08-2009
Que diferença faz um "e". O diálogo econômico estratégico Estados Unidos-China, um encontro bilateral semestral sob o presidente Obama, converteu-se no mais amplo diálogo econômico e estratégico. A adição de uma conjunção converte a palavra "estratégico" de um adjetivo que descreve o diálogo econômico em um termo abrangente, usado para descrever tudo o que Hillary Clinton bem entender.
............. ..... .....

O fenômeno do mercado chinês

Segunda-feira, 06/07/2009 - O coordenador do Centro de Estudos sobre a China, da Universidade Autônoma do México, o argentino Henrique do Céu, fala do crescimento chinês e suas consequências para o mercado mundial.
Governo reagiu rápido, mas a injeção de dinheiro já está criando bolhas de ativos
Problemas do sucesso chinês
Yu Yongding
Ao contrário do resto do mundo, na China pós-crise sobram crédito e liquidez
A China recuperou-se vigorosamente da recessão mundial. No segundo trimestre, as estatísticas oficiais chinesas revelam um crescimento de 7,9% do Produto Interno Bruto (PIB), ano sobre ano. As pessoas que duvidam da qualidade das estatísticas macroeconômicas chinesas podem aferir suas "estatísticas físicas": em junho, a geração de eletricidade cresceu 5,2%, revertendo as quedas ocorridas nos oito meses anteriores. É quase certo que o PIB chinês crescerá mais de 8% neste ano. Mas avizinham-se problemas. Mais investimentos ameaçam agravar o já grave excesso de capacidade, ao passo que a injeção de dinheiro já está criando bolhas de ativos.
A razão para o estímulo chinês é simples. Embora a China não tenha sofrido a crise financeira em moldes ocidentais, o país foi duramente atingido por efeitos de segunda ordem, porque as exportações despencaram. Em 2007, a taxa de crescimento das exportações foi 25,7% e as exportações chegaram a 36% do PIB. Em novembro do ano passado as exportações diminuíram 2,2% no ano e continuaram a cair a partir de então - em maio passado a queda foi de 26,4%. A queda nas exportações pode ter reduzido o crescimento do PIB em 3 pontos percentuais. Se for incluído seu impacto indireto, a queda pode ter subtraído mais de 5 pontos.
O governo chinês reagiu muito rapidamente. Em novembro de 2008, colocou em vigor um pacote de estímulo equivalente a US$ 580 bilhões para 2009 e 2010. A dosagem prescrita de estímulo é muito grande, da ordem de 14% do PIB em 2008.
A China tem condições de praticar tal política fiscal expansionista. Durante a década passada, o déficit orçamentário chinês foi muito baixo e em 2007 o país registrou um superavit orçamentário. Em consequência, a dívida chinesa deverá ficar em apenas cerca de 20% do PIB mesmo após o estímulo. O governo tem larga margem de manobra.
Aqui, porém, surge o primeiro problema. O mais importante componente no pacote de estímulo é o investimento em infraestrutura. O investimento em ativos fixos é, há muitos anos, a mais importante força motriz do crescimento econômico chinês, e vem crescendo mais rápido do que o PIB desde a virada do século. Devido ao papel dual dos investimentos em ativos fixos na geração de demanda no curto prazo e de oferta em longo prazo, uma taxa crescente de investimentos criará imediatamente uma demanda excessiva que perdurará por algum tempo, e então a economia passará de uma fase de superaquecimento para outra, de excesso de capacidade. Paralelamente, pressões inflacionárias darão lugar a pressões deflacionárias.
Desde o fim de 2003, a política macroeconômica chinesa teve por objetivo controlar o superaquecimento. Em virtude de o superaquecimento ser causado predominantemente pelo rápido crescimento nos investimentos em ativos fixos, ocorria, simultaneamente, um acúmulo de excesso de capacidade. A forte demanda externa adiou a manifestação de um excesso de capacidade. Infelizmente, os esforços do governo não conseguiram conter a febre de investimentos. Por exemplo, em 2004, quando o governo tentou reprimir a febre de investimentos na produção de aço, a capacidade da siderurgia chinesa era 400 milhões de toneladas. Em 2007, passou a 600 milhões de toneladas. Foi somente quando as exportações despencaram que a dimensão do excesso de capacidade ficou exposto - e de forma dramática.
Para manter crescimento razoável e evitar desemprego em massa, o governo chinês ficou sem opções, a não ser substituir a queda na demanda externa por demanda interna. Mas no curto prazo é difícil estimular o consumo interno; demanda estimulada por investimentos tornou-se a única alternativa. Em consequência do pacote de estímulo, a taxa de crescimento de investimento em ativos fixos chegou a 36%, ano sobre ano, no primeiro semestre de 2009, e a taxa de investimentos na China pode ter suplantado 50% do PIB.
Um reequilíbrio da China é mais resultado da crise econômica mundial do que de iniciativas de política governamental. A China poderia fazer mais para eliminar distorções de preços tanto internas como externas para reduzir sua dependência em relação a mercados externos. Embora o gerenciamento da crise pelos chineses tenha obtido êxito em revitalização do crescimento, seus sucessos em termos de ajuste estrutural não são absolutos.
Agora, o segundo problema. No primeiro semestre de 2009, os créditos bancários cresceram 7,3 trilhões de yuans, acima da meta oficial para o ano inteiro. O crescimento do crédito foi surpreendentemente elevado, e a mesma observação vale para a base monetária ampla (M2), que cresceu a uma taxa recorde em relação ao PIB. Em consequência, o mercado financeiro interbancário de curto prazo foi inundado de liquidez. É correto que a China adote um alívio em sua política monetária como reação à crise financeira mundial e ao desaquecimento interno. Mas ela não teve escassez de liquidez e aperto de crédito. Seu multiplicador monetário tem ficado relativamente estável. Ela não precisa de um helicóptero para lançar dinheiro do céu.
O excesso de liquidez produziu o ressurgimento de bolhas de ativos. Neste momento, o excesso de capacidade está impedindo que a inflação se torne uma ameaça. Entretanto, com a base monetária ampla acima de 160% do PIB, a situação poderá mudar, e mudar rapidamente, devido a choques internos ou externos. Em todo o mundo, as autoridades governamentais estão atentas aos próximos passos a ser dados pelo Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA). A autoridade monetária chinesa poderá também precisar preocupar-se com sua estratégia de saída.
Para conseguir uma recuperação sustentável, a China precisa calibrar um delicado equilíbrio entre gerenciamento da crise e reforma estrutural. Se a China não atacar seus problemas estruturais, inclusive sua dependência exportadora, alta taxa de investimento e grandes desníveis de renda, é improvável que o crescimento seja sustentável. A atual crise proporcionou à China uma boa oportunidade não apenas para ajuste estrutural mas também reformas institucionais. É do interesse da China e do mundo ver as medidas necessárias serem adotadas com convicção.
Yu Yongding é membro da Academia Chinesa de Ciências Sociais e ex-membro da Comissão de Política Monetária do Banco Central da China.
Published: September 26, 2009
AT 79, Wu Jinglian is considered China’s most famous economist.
In the 1980s and ’90s, he was an adviser to China’s leaders, including Deng Xiaoping. He helped push through some of this country’s earliest market reforms, paving the way for China’s spectacular rise and earning him the nickname “Market Wu.” ... ... .... ..... ..... 2 PÁG
Op-Ed Columnist
The New Sputnik
Published: September 26, 2009
Aniversário: Sociedade sem classes de Mao é recordação distante quando país celebra 60 anos do regime comunista
Desigualdade crescente assusta a China
Shai Oster, The Wall Street Journal, de Hangzhou, China
Pressão popular: Hu Bin, de família rica, foi condenado a 3 anos de prisão por atropelar e matar um jovem num racha
Quando um jovem rico atropelou e matou outro de origem modesta num racha, em maio, o incidente detonou um inflamado conflito de classe nesta próspera cidade do leste da China.
O motorista de 20 anos, Hu Bin, foi criado como o mimado filho de uma família de comerciantes rica o suficiente para comprar vários carros e apartamentos ao longo das avenidas arborizadas de Hangzhou. A vítima, Tan Zhuo, um engenheiro de telecomunicações de 25 anos, veio de um vilarejo no interior onde seus pais desempregados lutaram para arrumar dinheiro e realizar o sonho do filho de fazer faculdade em Hangzhou, uma das cidades mais ricas da China.
"Garotos ricos em carros de luxo transformam as ruas da cidade em pista de F1", gritava a manchete de um tablóide da cidade no dia seguinte ao do acidente, detonando uma onda de indignação. Fotos do motorista em seu Mitsubishi vermelho perto do corpo da vítima foram distribuídas de forma viral na internet, transformando mais uma das 70 mil mortes ao ano por acidentes de trânsito na China numa parábola sobre injustiça social que ganhou eco entre milhões de chineses.
Na véspera do aniversário de 60 anos do regime comunista que supostamente chegou ao poder para realizar a utopia de uma sociedade sem classes, a China está, em vez disso, envolvida numa divisão de classes renovada. A frase em mandarim "fen fu", que quer dizer odiar os ricos, foi cunhada nos últimos meses para expressar o amargo ressentimento popular.
Há 30 anos, o então líder Deng Xiaoping lançou o milagre econômico chinês usando o slogan "ficar rico é a glória". Ele acrescentou, no entanto, o alerta: "Deixem alguns ficar ricos primeiro". Eles deixaram, mas a maioria não ficou rica.
As reformas de Deng criaram uma sociedade que é mais rica e mais dividida do que antes. A China está dividida entre áreas rurais pobres e cidades mais ricas; entre regiões costeiras desenvolvidas e áreas mais pobres no interior; entre pessoas com educação e sem educação. Mas esses abismos crescentes, que são amplamente considerados como a raiz da inquietação social, são apenas parte do problema.
Episódios como o atropelamento em Hangzhou expõem um ressentimento igualmente profundo: a percepção de que os novos ricos, graças ao dinheiro e a conexões políticas, estão consolidando seu status na sociedade chinesa e bloqueando as aspirações dos menos favorecidos.
Com a informação fluindo instantaneamente para mais de 300 milhões de usuários de internet, os tropeços dos ricos são rápido material para a fúria pública. "Há mais comunicação de todos os tipos", diz David Goodman, autor de "The New Rich in China" ("Os Novos Ricos da China"). "Junto com os politicamente poderosos, há agora os ricos, e eles também são politicamente poderosos. Há muita suspeita contra eles."
Cada vez mais a animosidade se concentra nos filhos e filhas de uma geração de trabalhadores que executou as reformas econômicas de Deng, desencadeando a onda capitalista no país. Hu, o piloto de rachas, tornou-se o símbolo do chamado "fu er dai", ou segunda geração de ricos, composta de jovens na faixa dos 20 anos e considerados como criados num mundo isolado e protegido, com padrões de justiça diferentes dos da maioria.
Em 7 de maio, por volta das 20h, o Mitsubishi envenenado de Hu atropelou Tan na faixa de pedestres de um cruzamento perto do bonito lago de Hangzhou. O impacto lançou o corpo de Tan a 20 metros de distância. Curiosos e jornalistas rapidamente correram ao local e viram meia dúzia de amigos de Hu se juntarem ao redor dele e consolá-lo. Enquanto Hu se sentava no carro com o rosto entre as mãos, os amigos fumavam cigarros e faziam piadas, ao mesmo tempo em que a polícia e a equipe de paramédicos chegavam.
As fotografias logo circularam online, espalhando uma onda de comentários irados de leitores chineses indignados com o comportamento insensível mostrado nas fotos.
Sob pressão popular, a polícia de Hangzhou convocou uma entrevista coletiva para o dia seguinte, quando estimou que a velocidade do carro estava em torno de 70 quilômetros por hora no momento do atropelamento. Eles desmentiram as alegações de que o motor e os pneus do carro de Hu haviam sido ilegalmente modificados para dar mais potência ao veículo - apesar dos testemunhos de que ele estava em alta velocidade, o que poderia detonar punições criminais mais duras.
A opinião pública chinesa sentiu o cheiro de mutreta e blogs se encheram de comentários indignados. "Vejamos como os pais ricos vão resolver esse assunto para o filho!", escreveu um deles.
Cerca de 14 mil comentários foram deixados num único blog, analisando a velocidade e a trajetória do corpo de Tan quando foi atingido pelo carro. Outros sugeriram que a família de Hu usa contatos para atenuar o crime. Num desafio acalorado e incomum, os estudantes da Universidade Zhejiang divulgaram uma carta aberta ao prefeito, exigindo uma nova investigação sobre a morte do engenheiro, um ex-aluno.
Mais tarde, à noite, centenas de estudantes e residentes se juntaram para uma vigília à luz de velas no local do atropelamento. Outros estudantes criaram sites para registrar e armazenar depoimentos em memória de Tan. Na manhã seguinte, a polícia prendeu o jovem motorista para novas investigações.
Em 11 de maio, dia do funeral de Tan, mais de mil pessoas se perfilaram nas ruas, numa rara demonstração pública de solidariedade, enquanto o cortejo passava. Depois do extravazamento de raiva, naquela mesma noite a polícia local divulgou comunicado prometendo investigar exaustivamente o acidente.
Em seguida, uma semana depois do atropelamento, a polícia local convocou uma segunda entrevista coletiva. Desta vez, admitiu que a estimativa de velocidade inicial estava errada, dobrou o número e reconheceu que o motor do carro tinha sido envenenado. As admissões apenas aumentaram a suspeita de que os pais do motorista estavam usando conexões para tirar o filho da enrascada.
Diante da indignação pública, a família de Hu concordou em dar aos pais de Tan uma indenização de 1,13 milhão de yuan, ou US$ 165 mil.
Ainda assim, a fúria popular voltou a eclodir em meados de julho, depois que um tribunal condenou Hu a três anos de prisão, o que foi considerado uma pena leve. Numa reviravolta inusitada, Hu parecia muito mais gordo nas fotos no tribunal do que na cena do acidente, detonando rumores na internet de que a família dele havia pago para alguém aparecer no lugar dele. Autoridades chinesas negaram veementemente isso.
O pai da vítima, Tan Yue, tem criticado abertamente a sentença judicial. Ele é um dos que duvidam que a pessoa que agora cumpre pena seja realmente Hu. A família de Hu disse por um advogado que não faria comentários.
Alto, magro, com os mesmos olhos do filho, Tan Yue diz que o acidente captou tanta atenção por causa das trapalhadas do governo na investigação. Os moradores de Hangzhou estavam "com raiva dessa segunda geração de garotos ricos que fazem corridas nas ruas", diz ele. "O governo não podia lhes garantir segurança nem mesmo para atravessar uma rua. Diante disso, a tentativa de controlar a mídia aumentou a ira popular", acrescenta.
Tan Zhuo, o engenheiro morto, era uma história de sucesso da China moderna, um exemplo de como, quando o sistema funciona, alguém vindo de uma família relativamente pobre pode melhorar de vida trabalhando duro e estudando para conquistar um cobiçado trabalho bem remunerado.
Ele nasceu num vilarejo a uma hora de viagem pelas florestas de bambu de Changsha, a capital da Província central de Hunan, e cresceu numa casa simples de cimento, de três andares, construída pelos país. O pai trabalhava como administrador de uma empresa de transportes e logística estatal e a mãe para uma estatal que preparava refeições. Ambos foram demitidos alguns anos atrás e tiveram que batalhar para encontrar trabalho vendendo qualquer coisa, de tapetes a roupas íntimas, ou fazendo tarefas temporárias em uma escola.
Tan Zhuo era um estudante promissor, que conquistou o terceiro lugar num campeonato de matemática do município quando estava na escola secundária.
"Você tem de contar consigo mesmo porque eu não tenho nem as conexões nem os recursos para ajudá-lo", recorda-se Tan Yue de ter dito ao filho, em pé no quarto de Tan Zhuo. "Mas, nessa sociedade, você não precisa de dinheiro ou empurrão social para conseguir sua meta. Você pode se dar bem por conta própria."
Na Universidade Zhejiang, Tan Zhuo formou-se em telecomunicações. Sua família suou para pagar US$ 1,4 mil por ano pelo curso, alimentação e livros. Mas quando ele se formou, em 2006, os problemas da família desapareceram. Ele foi contratado pela ECI Telecom, uma empresa israelense de telecomunicações com divisões de pesquisa e desenvolvimento na cidade, com um salário anual de 100 mil yuans, ou US$ 14,6 mil, equivalente a sete vezes a renda média anual na China. Ele mandava dinheiro para a família e planejava construir uma casa para os pais.
A vida de Hu era um contraste marcante. Ele cresceu perto da área do Lago Oeste em Hangzhou, que é ocupada por lojas de grife, restaurantes caros e concessionárias de automóveis - inclusive duas da Ferrari. Os pais eram comerciantes donos de uma empresa de vestuário. Até o dia do acidente, Hu era estudante do curso de educação física na cidade.
Ao que parece, a grande paixão dele eram os carros. Ele se juntou a um grupo de jovens ricos que modificava ilegalmente carros esportivos, segundo autoridades locais. O Clube Internacional de Corridas F2 até hoje mantém na parede a foto de Hu quando ele conquistou o primeiro lugar numa corrida de kart no ano passado. A família lhe deu de presente um esportivo Mitsubishi de segunda mão, que foi coberto com decalques do clube.
No Automóvel Clube de Hangzhou, um ponto de encontro tradicional para os adeptos da modalidade drag-racing, decorado com pneus e calotas de cromo, o proprietário, Wang Ke, recorda ter consertado o pedal do carro de Hu. Seus clientes são, na maioria das vezes, filhos de empresários privados ou que vivem no exterior fascinados por carros envenenados.
Apesar disso, Wang acredita que os meios de comunicação do país não foram justos com Hu. "Se Hu é rico, muito outros também são", diz ele.
Na China, classe é um conceito infestado por décadas de conflitos sangrentos e turbulência política. O Partido Comunista chinês chegou ao poder há 60 anos prometendo uma utópica sociedade de trabalhadores sem classes.
Nos primeiros anos da chegada dos comunistas ao poder, em 1949, cerca de 1 milhão de proprietários de imóveis foram mortos no que seria o primeiro de uma série de conflitos de classe liderados pelo dirigente do partido, Mao Tsé-tung, na tentativa de eliminar os capitalistas da China. As campanhas chegaram ao clímax ideológico na Revolução Cultural, que durou de 1966 a 1976, quando qualquer pessoa com passado de riqueza poderia ser denunciado como contrarrevolucionário, o que pôs a China à beira de uma guerra civil.
Hoje, as campanhas de propaganda do governo apelam para a construção de uma "Sociedade Harmoniosa". Bilhões de dólares foram prometidos para a reforma do sistema de saúde e da educação, num esforço para melhorar as condições sociais, mas as críticas de corrupção crescente e favorecimento não param de surgir.
Até agora, o índice de criminalidade na China é menor que em outros países de crescimento rápido, como o Brasil. E o país é mais estável que a Índia. Mas, se a questão não for tratada, alguns observadores temem que o sentimento crescente de impotência política possa mudar das insatisfações localizadas contra funcionários locais corruptos e contra os novos ricos para insatisfação mais ampla em relação ao regime.
O sistema legal chinês é, na maioria dos casos, parte do problema. Antes de definir uma sentença, os juízes criminais costumam levar em conta quanto de compensação financeira foi pago às vítimas e famílias, criando a impressão de que os ricos podem literalmente se livrar de assassinatos.
Em agosto, na cidade de Chongqing, no sul do país, um gerente de hotel acusado de espancar até a morte uma mãe cujo filho havia roubado uma flor de plástico do lobby do hotel pagou 285 mil yuans, ou US$ 41,7 mil, à família da morta. Em comentários amplamente divulgados, o gerente teria dito a uma testemunha, depois do espancamento, que, "na pior das hipóteses, vou gastar 2 milhões de yuans para comprar a vida dessa mulher". Ele aguarda julgamento e pode ser condenado à prisão, segundo a polícia local.
Em Hangzhou, as autoridades prometeram combater as corridas e até pintaram grandes corações nos cruzamentos para encorajar a cautela dos motoristas. Mas, poucas semanas depois da condenação de Hu, num cruzamento próximo do local do acidente de Tan, uma jovem migrante que trabalhava como garçonete foi atropelada e morta pelo motorista de 28 anos de um utilitário esportivo Porsche.
"Por que você acha que os filhos dos ricos agem dessa maneira?", perguntou Dai Wangchao, 21 anos, o namorado da vítima. "Porque eles acham que não serão punidos." E acrescentou: "Se fosse o contrário, eu teria de passar um longo tempo na prisão".
Depois do julgamento de Hu, Tan Yue retornou a sua cidade natal carregando uma mala preta que continha um punhado de prêmios acadêmicos do filho, sua carteira de motorista, o cartão de filiação ao Partido Comunista e algumas fotografias. Cada vez que abrem a mala, os pais choram. Seguindo a tradição, Tan Yue planejava queimar os objetos, mas agora acha que vai mantê-los e construir um memorial para o filho.
Ele pensa em usar o dinheiro da indenização para construir uma nova casa e comprar seguro saúde para ele e a mulher. "Tudo para nós era aquele filho. Agora, não temos nada", diz Tan.
(Colaboraram Jeremy Chan e Sue Feng)
A taxa de crescimento da economia chinesa deve arrefecer nos próximos anos.
60 anos de Revolução na China: e agora camarada?
Por Frederico Estrella
O desenvolvimento da economia e da sociedade chinesas sob a liderança de Mao Tse-tung foi marcado por grandes avanços e retumbantes fracassos
Uma piada que circulou na Ásia no final de 2008, quase 60 anos após a criação da República Popular da China (RPC) em 1º de outubro de 1949, apresenta de forma jocosa as transformações ocorridas na China no período:
"1949: Apenas o socialismo poderia salvar a China. 1979: Apenas o capitalismo poderia salvar a China. 1989: Apenas a China poderia salvar o comunismo. 2009: Apenas a China poderia salvar o capitalismo".
O desenvolvimento da economia e da sociedade chinesas sob a liderança de Mao Tse-tung foi marcado por grandes avanços e retumbantes fracassos. Sua morte finalmente abriu espaço para as reformas liberalizantes de Deng Xiaoping, implementadas a partir de 1978, de forma ordenada e seguindo o princípio de auto-fortalecimento nacional.
Rapidamente, as competências e o espírito empreendedor do povo chinês floresceram. Em menos de 30 anos, um país em que as pessoas estavam acostumadas a escolher entre as três cores disponíveis de vestuário transformou-se no maior centro manufatureiro mundial. Cadeias de produção globais foram transferidas para o país, seduzidas pela disponibilidade de mão de obra barata, investimentos maciços em infraestrutura e a possibilidade de acesso a um mercado de consumo de proporções inigualáveis.
A abertura da China para o mundo no início da década de 1980 representou a incorporação de um volume gigantesco de fatores de produção - trabalho e capital - à economia global, assim como a possibilidade de aumentos sucessivos de produtividade em função de ganhos de escala e especialização dos países. A integração da China ao processo de produção e consumo global foi beneficiária do processo de globalização, reforçando-o ainda mais.
Em 2008, em resposta ao desaquecimento da economia chinesa causado pela própria dinâmica de crescimento doméstico acelerado, e agravado pela crise mundial, o governo chinês implantou um pacote econômico com alicerces na expansão do crédito e nos investimentos em infraestrutura. Em 2009 e 2010, a economia chinesa deverá se expandir a taxas próximas a 8% e, pela primeira vez após a Segunda Guerra Mundial, a economia global terá uma recuperação sem a liderança dos Estados Unidos.
A importância da China para o desenvolvimento e bem-estar do mundo, assim como os problemas que esse crescimento desenfreado acarreta, já são praticamente senso comum. Contudo, a sustentabilidade, a intensidade e as características do crescimento chinês no longo prazo, aspectos de grande relevância para o Brasil, são ainda debate incipiente.
O milagre do crescimento chinês é uma variante extremada do modelo asiático, adotado antes no Japão, na Coreia do Sul e em alguns países menores como a Malásia e Cingapura: taxas de poupança (e investimento) elevadas, turbinadas por um processo de transição demográfica, resultando em uma expansão acelerada da economia.
Nos últimos anos, a taxa de poupança doméstica chinesa aproximou-se de 50% do PIB. Mesmo investindo anualmente cerca de 40% de sua produção, a sociedade chinesa exportou os recursos excedentes para o resto do mundo, tornando amplamente conhecidos os produtos "Made in China".
A possibilidade de que essa relação simbiótica sobreviva na intensidade dos últimos anos é reduzida. O ajuste na economia norte-americana e em outros países desenvolvidos deverá ter como contrapartida a redução no superávit em transações correntes chinês. Isso não significa, entretanto, que o processo de intenso crescimento na economia chinesa chegou ao fim. De fato, subsistem ainda condições e oportunidades para que a China registre taxas de expansão do produto expressivas.
Primeiro, a China conta com a possibilidade de continuidade da transferência de um grande contingente de trabalhadores que atua em atividades de baixa produtividade (sobretudo no meio rural) para setores mais modernos. Isso ainda será realidade por um período relevante, mesmo com o recrudescimento do processo de envelhecimento da população chinesa previsto para a segunda metade da próxima década - em grande parte resultado da política de filho único instituída por Deng.
Segundo, a redução na taxa de poupança chinesa não precisa ser feita às custas do nível de investimento, existindo a alternativa da substituição do excesso de exportações sobre importações pelo aumento do consumo privado. Esse redirecionamento é viável a partir de ajustes nos incentivos que estimulam a poupança chinesa por motivos de precaução - por exemplo, a virtual ausência de cobertura de saúde e previdência para uma grande parcela da população.
Terceiro, há um espaço enorme para o aumento do crescimento da produtividade na China, notadamente nas atividades do setor de serviços que ainda possuem baixo grau de abertura ao capital estrangeiro. O país avança em uma mudança de grandes proporções na educação. Em 1999, ingressavam no ensino superior chinês cerca de 1 milhão de novos estudantes. Em 2008, as estimativas indicam que cerca de 6 milhões de estudantes foram admitidos nas faculdades e universidades chinesas. Em paralelo, observa-se a criação de centros de pesquisa (poucos ainda, naturalmente) em processo de convergência para os centros de excelência de universidades norte-americanas. Uma população cada vez mais preparada para a incorporação e desenvolvimento de novas tecnologias deverá permitir que a força motriz do crescimento migre progressivamente da incorporação de fatores de produção para ganhos de produtividade, característica de economias mais ricas e modernas.
Dificilmente a China terá novamente taxas médias de crescimento semelhantes às de 2003-2007, entre 10% e 13% ao ano - excessivas até para os padrões atuais da economia chinesa. O ritmo atual, com declínio ao longo do tempo, é mais condizente com uma visão de longo prazo. Ainda há muito a ser feito para que isso se torne realidade e há também riscos - muitos superestimados no Ocidente. Contudo, a célebre frase proferida pelo Grande Timoneiro nas cerimônias de proclamação da RPC ainda ecoa na sociedade chinesa, e cada vez mais no mundo: "The Chinese People Have Stood Up!" - "O povo chinês se levantou!"
Frederico Estrella é mestre em economia pela EPGE/FGV e sócio-diretor da Tendências Consultoria Integrada.
TENDÊNCIAS/DEBATES - folha, 20-09-2009
Os 60 anos da revolução chinesa
A China celebra amanhã, 1º de outubro, os 60 anos da revolução que mudou a história dessa grande nação asiática
A CHINA celebra amanhã, 1º de outubro, os 60 anos da revolução que mudou a história dessa grande nação asiática e influencia de forma decisiva as estratégias geopolíticas e econômicas da atualidade.
October 01, 2009, 03:53 PM
China Celebrates 60th Anniversary of Communist Rule
China has celebrated the 60th anniversary of Communist rule with a huge military parade featuring hundreds of thousands of soldiers marching in lockstep, tanks, missiles and fighter jets. The Communist Party was sending an important message to the world -- and to the Chinese population. By Andreas Lorenz in Beijing more...
Published: October 3, 2009
New Haven
Published: October 3, 2009
Cambridge, Mass.
Ásia: País busca modelo de desenvolvimento que privilegia tecnologia doméstica, mas tem longo caminho a percorrer
Falta de inovação ameaça frear a China
Dexter Roberts e Pete Engardio, BusinessWeek06/11/2009
No começo de outubro, durante a parada de comemoração do 60º aniversário da República Popular da China, tanques e mísseis passaram diante da Cidade Proibida e pela avenida Chang'an, em Pequim. Batalhões de soldados desfilaram em passo de ganso em perfeita harmonia. No céu, caças voavam em formação.
Mas logo atrás dessa extravagância militar estavam carros pesados exibindo um lado menos bélico da China, que suas lideranças chamam de "inovações nativas". Em um deles, um microscópio de 2,5 metros de altura, tubos de ensaio gigantes cheios de um líquido azul e um telescópio branco simbolizavam as conquistas científicas e tecnológicas da China. Outro carro tinha uma réplica de um trem-bala e um jato de passageiros, representando as ambições da China na área de transporte. Um carro dedicado às energias renováveis estava cheio de moinhos de vento e plataformas de petróleo, cercado por centenas de trabalhadores do setor de energia com capacetes vermelhos, cada um deles carregando um painel solar.
Em um palco acima do retrato gigante de Mao Tsé-tung no portão da Paz Celestial, o presidente Hu Jintao assistia o desfile. "O povo chinês se ergueu", disse Hu, citando Mao, que disse essas palavras no mesmo lugar 60 anos antes.
Essa sensação de triunfo permeia a China hoje em dia. A rápida recuperação da economia da China continental, depois da explosão da crise financeira mundial, parece ter vingado sua marca de capitalismo liderado pelo Estado. Enquanto o Ocidente luta para se recuperar, a China caminha para crescer 8% este ano, preparando-se para tomar o lugar do Japão de segunda maior economia do mundo - e o da Alemanha de maior exportador. Agora a China continental está entrando em novos setores, anunciando companhias aéreas domésticas, carros elétricos e trens de alta velocidade.
Mas uma investigação das estatísticas e o alarde em relação aos avanços em setores estratégicos mostram que a China não parece estar preparada para ser catapultada a uma posição de liderança econômica mundial. Especialistas familiarizados com as conquistas que os chineses vêm perseguindo ativamente dizem que as tecnologias que as sustentam foram em grande parte desenvolvidas em outros países. Não há a Sony chinesa, uma Toyota ou uma Samsung no horizonte. Embora o pacote de estímulo de US$ 586 bilhões do governo chinês e um aumento de 150% nos empréstimos bancários estejam estimulando um crescimento impressionante, "a questão", segundo Stephen Roach, presidente do conselho de administração do Morgan Stanley na Ásia, "é a qualidade desse crescimento".
Segundo já admitiu o próprio governo, não se pode mais contar com o modelo econômico que conduziu a China por três décadas. A China continental vem prosperando principalmente pelo setor da construção e a exportação de todos os tipos de bens de consumo produzidos em fábricas que aproveitam a mão-de-obra barata; os trabalhadores depositavam suas economias em bancos estatais, que então emprestavam o dinheiro para companhias produzirem mais coisas. Mas o know-how tecnológico e administrativo veio principalmente das multinacionais, e os custos - poluição, deterioração dos serviços sociais e uma diferença enorme entre a população urbana rica e a população rural pobre - são em grande parte ignorados. Esse modelo alimentou um crescimento fenomenal, que Hu e outros chamam de "desequilibrado" e "insustentável".
Portanto, nos últimos anos, o governo chinês vem proclamando uma nova visão econômica. Os principais elementos: as fábricas sujas darão lugar a indústrias preocupadas com energias renováveis e um setor de serviços crescente; os consumidores chineses, em vez dos pressionados americanos e europeus, é que darão sustentação à demanda; e, em vez de produzir produtos copiados que rendem poucos lucros, as companhias chinesas deverão criar produtos inovadores baseados em tecnologias desenvolvidas no país.
Mas enquanto o presidente dos EUA, Barack Obama, se prepara para sua primeira visita à China, no dia 15, alguns economistas estão adotando uma postura cética em relação à evolução da China. Embora o governo tenha honrado muitos dos compromissos de abertura de mercado que fez para poder entrar para a Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001, reformas prometidas, como a permissão de mais investimentos estrangeiros em telecomunicações e serviços financeiros, estão paralisadas. Nos últimos três anos, um fluxo constante de diretivas emitidas por uma série de ministérios e pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (CNDR) vêm enfatizando o controle que o estado exerce sobre a economia. Em junho, por exemplo, a comissão ordenou que sempre que possível apenas os produtos fabricados por companhias de controle chinês sejam usados nos projetos bancados pelo governo.
É fácil perceber o reaparecimento do Estado. Segundo estimativa do Standard Chartered Bank, a ampla maioria dos novos empréstimos está sendo direcionada para empresas controladas pelo governo, por exemplo, enquanto que menos de 20% acabam nas mãos de pequenas e médias empresas, que normalmente são privadas. E, em setores estratégicos, como o da fabricação de turbinas eólicas e o de usinas nucleares, o governo chinês está favorecendo suas grandes empresas e tentando reduzir gradualmente a participação das companhias estrangeiras. "Eles estão recolhendo o tapete vermelho", afirma Joerg Wuttke, presidente da Câmara Europeia na China, que recentemente divulgou um relatório de 584 páginas que afirma que a China vem pisando no freio na abertura de sua economia. "O foco da China parece ter mudado da aceleração das reformas de mercado para um modelo mais controlado pelo Estado. Isso é muito preocupante", afirma um funcionário de uma associação de classe dos Estados Unidos.
Além de agravar os atritos comerciais, o renovado pendor do Partido Comunista por controlar tudo poderá minar a competitividade da China nos mercados internacionais. Restringir a capacidade dos estrangeiros de fazer negócios na China tornará a vida mais fácil para as companhias chinesas em casa; o lado ruim é que isso as impedirá de conseguir as habilidades necessárias para serem bem-sucedidas fora da China continental. E canalizar recursos para companhias estatais e insiders deixará os empresários criativos famintos por capital. "O governo quer estimular a inovação e a criação de empregos mas está fazendo o oposto", diz o economista Xu Xiaonian, da China Europe International Business School, de Xangai.
Já há sinais de que as políticas de Pequim estão minando a transição para uma economia mais equilibrada, que possa estimular o crescimento em todas as partes do mundo. Na última década, os gastos do consumidor - que deveriam ser o principal suporte da economia chinesa - caíram de 45% do PIB para 35%. O Morgan Stanley estima que 88% do crescimento do PIB deste ano virá da fonte usual: investimentos em infraestrutura, imóveis e um número ainda maior de linhas de produção. Nos últimos dois anos, a capacidade de produção da aço da China cresceu em um terço e a capacidade ociosa da China continental este ano será quase igual à produção de aço combinada de EUA e Japão. "Na verdade, vimos um recuo para a velha fórmula de apoio em grande escala à produção industrial e às exportações", diz David Hoffman, diretor-gerente da China para o Conference Board.
Para ter uma ideia do que pode estar pela frente se a China não conseguir transformar sua economia, é só passar pela cidade de Dongguan. As milhares de fábricas localizadas no centro industrial do delta do rio Pérola produzem TVs, móveis, brinquedos e milhares de outros produtos para os consumidores de todas as partes do mundo. Mas, com a queda das exportações, Dongguan está cambaleando. No distrito de Changping, outrora apelidado de "pequena Hong Kong", fábricas fechadas estão cobertas de mato. É claro que a economia de da Província de Guangdong caminha para um crescimento de 9% este ano, mas isso vai ocorrer principalmente por causa dos enormes gastos do governo com obras públicas, como a ampliação de um aeroporto e a construção de uma usina nuclear.
Em outros bolsões do país, o governo vêm conseguindo um progresso bem maior rumo à nova visão econômica. A China está promovendo agressivamente a energia eólica, a iluminação mais ambientalmente correta e os três de alta velocidade. Xangai, Pequim e dezenas de outras cidades estão construindo vastas redes subterrâneas para complementar as ferrovias já existentes. Para convencer os cidadãos a gastarem mais e economizarem menos, o governo está ampliando o sistema público de saúde e subsidiando pequenos automóveis e utensílios elétricos. Milhões de pequenas empresas privadas estão surgindo e grandes empresas estatais que proporcionavam benefícios "do berço ao túmulo" estão sendo enxugadas. Cidades e províncias estão aumentando os gastos com pesquisa, reciclando trabalhadores e cortejando investimentos em novos setores, como o de biotecnologia, que está atraindo cientistas chineses que trabalhavam nos EUA.
Entretanto, a China tem um longo caminho a percorrer em inovação. O continente aumentou dramaticamente os gastos com pesquisas e exibe o maior número de profissionais formados em ciências e engenharia. Mas além de jogos da internet, o país cria poucos produtos inovadores, graças em grande medida ao problema perene da pirataria desenfreada. No ano passado, a China exportou US$ 416 bilhões em produtos de alta tecnologia. Mas, subtraindo as operações da China continental das atividades das empresas de Taiwan que operam sob contrato e as contribuições de empresas como a Nokia, Samsung e Hewlett-Packard (HP), a China vira um peso-leve em produtos eletrônicos. Além da cerveja Tsingtao e dos refrigeradores baratos Haier, "a China tem presença nula nos EUA", afirma Kenneth J. DeWoskin, diretor do China Research & Insight Centre da Deloitte & Touche. Em vez disso, a maior parte das companhias da China continental explora tecnologias já existentes e competem com os grandes volumes e custos baixos nos mercados de commodities.
Tome como exemplo os automóveis. Durante décadas, o governo tentou estimular o setor. Mas Volkswagen (VW), Toyota, Buick e outras marcas estrangeiras dominam a produção de sedãs de médio porte e de utilitários esportivos (SUVs). Montadoras domésticas como a BYD Auto, a Geely e a Chery vêm prosperando com o desenvolvimento de subcompactos, vendidos por até US$ 4,4 mil. Elas agora são a maior esperança da China no segmento de veículos elétricos e híbridos. Enquanto isso, o governo está aumentou seu apoio. Para atender uma meta de produzir 500 mil desses veículos até 2011, o Ministério da Ciência e Tecnologia pretende colocar 60 mil táxis e ônibus elétricos nas ruas e oferecer subsídios para os compradores.
A BYD Auto vem fazendo mais "barulho". A companhia de Shenzhen espera vender este ano 400 mil automóveis e sua controladora é uma das maiores produtoras de baterias de íons de lítio para celulares, PCs e outros aparelhos do mundo. No ano que vem ela pretende lançar nos EUA o e6, um veículo elétrico para cinco passageiros que pode ser recarregado na tomada e segundo a companhia terá uma autonomia de 398 quilômetros. O preço da ação da BYD subiu tanto que o famoso investidor americano Warren Buffett já lucrou mais de US$ 1 bilhão com a participação de 10% que tem na companhia. A BYD promete ser a maior fabricante de automóveis da China até 2015 e superar a Toyota como a maior marca até 2025, produzindo 10 milhões de veículos por ano - 50% para exportar.
A BYD tem um longo caminho a percorrer. Este ano, ela terá sorte de conseguir igualar as exportações recordes de 8 mil veículos do ano passado, todos eles vendidos na Rússia e países em desenvolvimento da África e América Latina. Ela afirma que entregou apenas cem de seus híbridos "plug-in" F3DM, vendidos a US$ 22 mil, na China este ano - algo muito distante da meta de vendas de 4 mil unidades. A maior vantagem da BYD? Não é o design, a tecnologia de ponta nem as técnicas modernas de fabricação. É uma bateria bem convencional que a BYD consegue produzir bem barato. "Fabricar produtos baratos é a chave para o desenvolvimento da indústria dos carros elétricos", afirma Henry Z. Li, gerente-geral de vendas internacionais da BYD.
A BYD recusou um pedido para um visita às suas fábricas, mas aqueles que já estiveram nelas afirmam que suas baterias e motores elétricos são montados a mão e linhas de montagem, por trabalhadores de uniforme azul, e não por robôs, algo que já se tornou um padrão no setor. A dúvida é a capacidade da BYD ou de outras montadoras chinesas de atenderem os rígidos padrões de segurança da União Europeia e dos EUA. "Em mercados maduros, as barreiras são bastante claras e os padrões muito elevados", diz Yale Zhang, diretor da consultoria CSM.
"Desmonte" outros sucessos bastante elogiados da inovação nativa e você verá que há pouca coisa de chinesa neles. O governo há muito tempo deseja ter sua própria indústria aeronáutica e sua primeira oferta - um jato de passageiros com 90 assentos chamado ARJ21 - deverá chegar ao mercado no ano que vem. Em seguida, será a vez do C919, um avião para trajetos médios com até 190 assentos, que a estatal Commercial Aircraft Corp. of China (Comac) anunciou em de setembro. O avião, cujo início de entregas está previsto para 2016, pretende competir diretamente com a Boeing e a Airbus.
Especialistas ocidentais familiarizados com os aviões da Comac afirmam que eles são baseados em aviões mais antigos projetados pela McDonnell Douglas há duas décadas, antes de a companhia americana ter sido adquirida pela Boeing. Enquanto isso, as turbinas e outros sistemas importantes do ARJ21 são fornecidos por fabricantes ocidentais como a Honeywell, General Electric e Rockwell Collins. "A China quer ser autossuficiente", afirma Nathan K. Smith, analista da consultoria Frost & Sullivan. "Mas ela não tem capacidade para desenvolver esses aviões sem a tecnologia ocidental." As possibilidades da Comac competir com a Boeing e a Airbus fora da China, mesmo daqui a duas décadas, "são um tiro no escuro", afirma Smith.
Algumas políticas industriais chinesas fracassaram. Por exemplo, o governo há muito tempo vê a fabricação de semicondutores como um setor importante e oito novas fábricas de placas de silício - algumas bastante subsidiadas - foram construídas desde 2005. O objetivo era começar a competir com as fábricas de baixos custos que operam sob empreitada para firmas estrangeiras de projetos de chips. Mas as fábricas de placas de silício da China dependem de tecnologias que estão pelo menos duas gerações atrás das que estão sendo usadas por Taiwan, EUA, Japão e Coreia do Sul, e poucas são lucrativas. No pior momento da recessão, no primeiro trimestre, 60% da capacidade de produção da China estava ociosa. Mas, com as fábricas de placas de silício da próxima geração custando no mínimo US$ 3 bilhões, uma grande crise se aproxima para as fábricas chinesas, segundo Len Jelinek, analista da consultoria iSuppli. "A maior parte das companhias chinesas não tem a tecnologia e o dinheiro necessários para investir em pesquisa e desenvolvimento e assim permanecer no jogo", acredita ele.
Em razão dos muitos sinais de progresso da China, é fácil esquecer que ela continua sendo uma economia subdesenvolvida que enfrenta desafios enormes. Sim, ela possui uma população imensa e jovem, empresários e cientistas talentosos, um governo ambicioso - e muito dinheiro. Portanto, é provável que o governo acerte na fórmula algum dia. Mas as reformas econômicas da China já levam três décadas. Isso é bem mais que o tempo que Mao Tsé-tung e seus seguidores levara para impor sua marca extrema de socialismo. "O Japão e a Coreia do Sul levaram 30 anos para realizarem uma transformação parecida" para uma economia conduzida pela inovação, pelos gastos do consumidor e pelos serviços, diz Ding Li, economista da Academia de Ciências Sociais de Guangdong. "Nossas expectativas não podem ser altas demais."
(Copyright© 2009 The McGraw-Hill Companies Inc
A special report on China and America
A wary respect
Oct 22nd 2009From The Economist print edition
America and China need each other, but they are a long way from trusting each other, says James Miles (interviewed here)
..... ..... ....
Crise global torna os EUA mais dependentes da China do que nunca
Gabor Steingart e Wieland Wagner
Quando o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visitar a China neste fim de semana, ele encontrará uma rival que vê a crise financeira mais como uma oportunidade do que uma ameaça. Os Estados Unidos, por outro lado, estão fundamentalmente enfraquecidos pelo arrocho global - e estão mais dependentes da boa-vontade da superpotência ascendente do que nunca.Os cientistas da Universidade Nacional de Tecnologia de Defesa, em Changsha, China, tinham muito a celebrar: eles desenvolveram um supercomputador capaz de realizar mais de um quatrilhão de cálculos por segundo.
China diz ser cada vez mais alvo de protecionismoDA EFEA economia chinesa está sendo muito afetada pelo protecionismo comercial, que aumentou com a crise global, segundo o Ministério do Comércio do país.O ministério afirma que, nos primeiros meses deste ano, 19 países fizeram 88 reclamações contra os produtos chineses, a maioria delas, 57, envolve casos de dumping (venda por preço abaixo do custo).Ele diz ainda que a disputa comercial com os EUA é "cada vez maior". Os EUA são responsáveis por 14 das reclamações.As novas queixas surgiram antes da primeira visita de Barack Obama à China, neste mês.

No comments: